mapa astral – Oprah Winfrey: Um caso extremo de ascensão

Muita gente no Brasil não tem muita noção de quem é a Oprah, a não ser quem assina por exemplo, o canal GNT e tem acesso ao programa dela, ou então quem teve contato com a carreira dela como atriz, ela já chegou a ser indicada ao oscar em 1985 ou 1986, não sei exatamente quando, pela atuação no filme “A cor púrpura”. Veja abaixo uma imagem mostrando a atuação dela no filme: 
No filme ela interpretava Sofia Pumpin, que em meio a todo preconceito sofrido não somente pelos negros, mas também pelas mulheres em uma das regiões mais pobres dos Estados Unidos e em dias remotos (provavelmente no final do século 19 ou início do século 20), era uma voz que se impunha, e que sofreu as conseqüências de sua ousadia. Dê uma olhada nesta cena do filme, a partir de 1’15” de tempo: 

A história de vida desta mulher é muito interessante. Ela nasceu em uma região relativamente pobre dos Estados Unidos, filha de pais adolescentes, foi criada durante a tenra infância pela avó, que era de uma igreja evangélica e estimulava muito na neta a aproximação com a religião. Depois, por volta dos 9 anos de idade ela foi viver com a mãe, com quem nunca teve uma boa relação. Oprah chegou a relatar inclusive que nesta idade sofria abusos sexuais por parte dos irmãos e sobrinhos de sua mãe. Ela conseguiu uma bolsa de estudos numa das melhores escolas particulares de sua região, e sempre foi muito dedicada aos estudos, apesar das dificuldades. Fugiu de casa aos 14 anos para se livrar das limitações impostas por um ambiente caótico. Aos 17 anos, depois de ter vivido a experiência de um relacionamento conturbado e um aborto, ela participou de um concurso de locução de rádio, cujo prêmio era uma bolsa de estudos para uma faculdade de comunicação televisa. Ela venceu. Em 1983, aos 29 anos de idade, ela já estreava seu primeiro talk show na TV. Em 1985 estreou no cinema, no filme que eu citei acima e daí em diante ela não parou de crescer. Hoje em dia, Oprah ostenta o status de ser uma das mulheres mais ricas, poderosas e influentes dos Estados Unidos. É a mulher negra mais rica do mundo. Seu site oficial recebe 70 milhões de visitas por mês. 
Então, da infância pobre, dos abusos e das limitações, essa mulher é hoje em dia é uma das pessoas mais poderosas do seu país, e conseqüentemente do mundo. Nada melhor do que analisar o mapa de nascimento dela e ver o que ele testemunha. Mas esta não é uma análise muito confiável, já que o horário não foi checado com nenhuma certidão de nascimento. Um dos mapas mais usados apontavam um ascendente estranhamente posicionado no frugal, discreto e obssessivo signo de Virgem, coisa que de maneira alguma se coaduna com a exuberância que Oprah ostentou ao longo de sua vida. Depois apareceu um mapa “retificado” que apontava um ascendente em Libra. Recentemente (2007), Oprah disse ter nascido às 4:30 da manhã, do dia 29 de janeiro de 1954, em Kosciusco, nos Estados Unidos.  É com este mapa que aponta um ascendente em Sagitário, que eu irei trabalhar:    
Em primeiro lugar, acredito que o Ascendente deve estar por volta dos 27° de Sagitário, já que um horário como o de “4 e meia” dito ainda de memória, tem tudo pra ter sido arredondado. Mas vamos deixar o mapa assim mesmo, com o ascendente aos 29° de Sagitário. Vemos um Sol em Aquário, e uma lua em Sagitário. Vale lembrar que o mapa mais aceito para representar os Estados da América tem a lua em Aquário, com o Ascendente em Sagitário!
O Ascendente em Sagitário, no caso de Oprah, fala sobre sua exuberância, que se reflete dentre outras coisas no excesso de peso. Podemos acusar Júpiter, que está em detrimento, bastante lento, no signo de gêmeos. Um Júpiter em detrimento tem tudo pra testemunhar a respeito de problemas de peso, especialmente porque ele está cadente, na casa 6, dos problemas de saúde. Mas é um Júpiter bem aparado por 3 trígonos, com o Sol, Vênus e Mercúrio, o trio da auto-expressão pessoal. Além disso, Júpiter está numa estrela fixa de médio calibre, Rigel, que indica talento e capacidade artística. Oprah então é uma grande comunicadora, com uma excelente capacidade de se fazer entender, de atingir o seu público de forma direta e intimista, e um inegável talento que lhe garante o sucesso em todos os seus empreendimentos. Oprah é o tipo de pessoa que se mete com tudo, o que é típico das personalidades marcadas pela influência do eixo Gêmeos/Sagitário: Apresentadora de TV, atriz de cinema e teatro, já teve show na Broadway, é dona de 2 revistas, uma rádio e está prestes a lançar seu próprio canal de televisão. Em 2008 ficou evidente também seu talento para política: Não é exagero dizer que se não fosse ela, talvez Obama jamais tivesse sido eleito. é evidente a imensa capacidade convencimento de Oprah: também, com Lua e ascendente em Sagitário, um stelliun em aquário, meio do céu no encantador signo de Libra além deste Júpiter sobre a estrela Rigel: Tem como esperar algo diferente de uma pessoa assim?    
Mas como explicar tanta sorte? Um Júpiter em detrimento deveria funcionar de maneira completamente diferente. Mas devemos lembrar que Vênus, na astrologia tradicional, não é só fornicação: Vênus representa também sorte e fortuna. Vejamos a Vênus de Oprah: Esta em conjunção aplicativa e exata com o Sol, num estado conhecido como Cazimi, que representa uma imensa potencialização do planeta em questão. Não importa o fato de o Sol estar em detrimento, e nem o fato de Saturno estar em quadratura exata com ambos: O poder e a glória de um planeta em cazimi é capaz de resistir a todas as adversidades. Saturno aí aponta apenas para todas as adversidades e limitações do início de vida.  

Ascendente em Libra

Libra é um signo de Ar e Cardinal, masculino e de natureza sanguínea, sendo o domicílio diurno de Vênus, e a exaltação de Saturno. Em libra, saturno tem mais poder do que quando ele está em capricórnio, porque saturno rege também a triplicidade do ar. É um ascendente bem comum no hemisfério norte, porque lá ele tem ascensão longa, enquanto que no hemisfério sul sua ascensão é curta.
Na astrologia Horária esse ascendente indica que o querente será uma pessoa sempre de boa aparência e de modos polidos, mas dada a discordâncias e intrigas: vai exigir muitas explicações adicionais e raramente vai seguir o que for aconselhado, inclusive pondo em dúvida a capacidade do astrólogo,  a não ser que Vênus esteja em signos fixos (com exceção de escorpião). Será necessária uma dose a mais de diplomacia, portanto.   
Na astrologia natal, este signo ascendente é um indicador de beleza e simpatia na maioria dos casos, a não ser que Vênus esteja muito enfraquecida. Este é também um signo humano, indicando cordialidade, boa aparência e Inteligência. Mesmo que a natureza não tenha sido das mais generosas quanto a aparência do nativo, a pessoa será vaidosa e se apresentará para os outros de forma digna e aceitável. São adeptos do meio termo, geralmente assumem posicionamentos centristas e não gostam de radicalismo. Por ser uma pessoa que evita todas as situações insalubres e arriscadas possíveis, em geral não costuma ficar doente ou se machucar com freqüência. Mas problemas renais podem ser comuns, especialmente se a pessoa é submetida a excessos de qualquer espécie. É uma pessoa muito intolerante ao excesso, ao radicalismo e a imposição do que quer que seja, e doenças sempre estarão relacionadas com alguma situação onde essa tendência natural foi contrariada. 
A beleza e a simpatia facilitam o desenvolvimento de uma personalidade manipuladora, que lhe ajuda a lidar melhor com as pessoas e a influenciar as idéias e atitudes alheias. A imensa maioria das pessoas na verdade se deixa influenciar pelo seu encanto e é capaz de lhe agradecer no final, mesmo que você peça que elas se atirem de uma ponte. O melhor seria que você aprendesse a usar essa sua habilidade para manejar positivamente o ser humano, agindo como apaziguador de contendas e como um agente unificador, buscando aproximar as pessoas. 
Veja algumas pessoas famosas que nasceram com Ascendente em Libra: 
Britney Spears
Jeniffer Lopez
Leonardo DiCaprio
Mahatma Ghandi
Adolf Hitler
Isaac Newton
Bill Clinton
Jean-ClaudeVan Dame
Kate winslet
Frank Sinatra

Ascendente em Virgem

Virgem é um signo de terra e mutável, feminino, de natureza melancólica, sendo ao mesmo tempo o domicílio e a exaltação de Mercúrio. É um signo de ascensão curta no hemisfério sul, sendo mais raro por aqui do que em comparação com o hemisfério norte, onde este Ascendente é bem mais comum.
Na astrologia Horária este é um excelente ascendente, e o astrólogo deve tomar cuidado porque a pessoa fará literalmente tudo o que lhe for dito. Indica um querente que explica bem a sua dúvida e facilita as coisas para o astrólogo. Se mercúrio estiver em mau estado, entretanto, pode ser uma pessoa dada a intrigas, e aí é necessária cautela com relação ao que se diz.
Na astrologia natal indica beleza, simetria e uma aparência bem proporcionada, a não ser é claro, nos casos em que mercúrio aparece muito enfraquecido. Em geral indica magreza e agilidade, a não ser que mercúrio esteja muito lento, combusto ou retrógrado. Como é um signo humano, a pessoa é simpática, inteligente e cordial, ostentando beleza na maioria dos casos. Criticismo e perfeccionismo são características de praxe, em geral responsáveis pela forte tendência ao nervosismo e a ansiedade, que contribuem pra tornar a saúde um tanto frágil. Doenças do trato digestivo, causadas por preocupações, manias e hábitos demasiadamente rígidos são os principais problemas deste ascendente. Mas o corpo se recupera rapidamente das enfermidades, apesar de tornar-se enfermo com facilidade.
Podem ser críticos e rabugentos e contentam-se com o básico, com a frugalidade, característica que pode ser limitadora em alguns momentos. Agem como fiscais da normalidade exigindo a adequação de tudo e de todos ao que é considerado ‘normal’ em seu meio. Isso ocorre porque a função  de virgem é a de zelar pela manutenção das estruturas: é por isso que a medicina é atribuída a este signo, já que é a arte de se buscar a manutenção da própria vida. É este o signo que luta para manter as coisas como são, sem esta tendência que pode soar tão opressiva em alguns momentos, não conseguiríamos ir muito longe em termos de humanidade. 
Algumas personalidades famosas com Ascendente em Virgem: 
Uma Thurman
Keano Reeves 
Sharon Stone
Tom cruise
Bruce willis
Mozart
Kurt Cobain
Tom Hanks
Woody Allen
Paul McCartney

Ascendente em Leão

Leão é um signo de fogo e fixo, masculino, de natureza colérica, sendo o único domicílio do Sol. É muito mais comum você encontrar gente de ascendente em Leão que tenha nascido no hemisfério norte, porque por lá este signo tem ascensão longa, enquanto que no hemisfério sul sua ascensão é curta.
Na astrologia Horária este é um dos melhores ascendentes, a não ser que o sol esteja cadente, ou em Libra ou aquário. Indica uma pessoa íntegra, importante dentro do seu nicho de atuação, ou poderosa de alguma forma. Se apresentará de forma digna e trará sempre uma questão séria para ser tratada.  
Na astrologia natal indica pessoas de porte digno, homens de aparência muito masculina e mulheres de aparência ardente e provocadora. Isso é verdadeira quanto mais força tiver o Sol no mapa. Por ser um signo de natureza bestial, a sensualidade é marcante, e será mais vívida quanto mais o mapa apontar nesta direção. Pode indicar truculência e tirania quando o Sol aparece como força maléfica no mapa: por exemplo, quando torna vários outros planetas combustos ou quando forma tensão com outros planetas. Em geral indica boa saúde, exceto quando o sol é cadente, ou quando o sol está em signos de ar, quando a vitalidade tende a ser mais frágil. A estrela fixa tradicionalmente mais poderosa do céu, Régulos, se localiza atualmente no último grau de leão.
O temperamento pode ser extravagante e egocêntrico, frequentemente com exagero na autoafirmação e uma certa arrogância. Mas de modo geral a personalidade é magnânima e generosa (depois do sol, Júpiter é o planeta que tem mais força no signo de Leão).  O problema geralmente é que a pessoa em geral acha que sabe o que é melhor para todas as pessoas que a cercam, e com a intenção genuína de ajudar, as vezes acaba gerando atritos. De qualquer forma, esses são os nativos que vieram ao mundo para ensinar aos outros conceitos sobre dignidade, integridade e autenticidade. 
Algumas personalidades famosas com Ascendente em Leão:
Marilyn Monroe
Marilyn Manson
Johnny Depp
Robie Williams
Al Pacino
Picaso
Celine Dion
Freddie Mercury

Ascendente em Câncer

Câncer é um signo de água e Cardinal, feminino, de natureza fleumática, único domicílio da Lua e exaltação do planeta júpiter. É um signo de ascensão curta no hemisfério sul, e de ascensão longa no hemisfério norte, fato que nos diz que este ascendente é mais comum no hemisfério norte.
Na astrologia Horária este não é um dos melhores ascendentes, porque indica uma pessoa temerosa, cujo estado pode ser piorado caso o astrólogo não lhe diga o que ela quer ouvir, e que pode se mostrar cética caso o astrólogo lhe apresente um futuro positivo. Se a lua estiver em dignidade, for angular ou estiver em signo fixo, entretanto, esse aspecto temeroso do caráter é bem diminuído.
É dito em livros de Astrologia tradicional, que a aparência do nativo pode ser de fragilidade e suscetibilidades, e isso tende a ser verdadeiro quanto mais fraca estiver a lua. Por outro lado são pessoas afáveis, de índole benevolente, mas como Câncer é um dos signos ditos ”mudos” tende também a timidez e a desconfiança. Sendo um signo Cardinal e regido pela Lua, o humor da pessoa varia bastante quase como se acompanhasse as fases da própria lua. Assim tende a ser o corpo, apesar de, aparentemente, haver uma conexão direta entre corpo e emoções, com o primeiro acompanhando as variações do universo emocional. São pessoas muito sensíveis e cuidadosas, instintivamente defensivas e protetoras, muito preocupadas com as questões mais básicas como a segurança e a nutrição, sendo facilmente afetadas por medos e outras suscetibilidades.  
Vão ser sempre territorialistas, rancorosos, muito apegados ao passado e em alguns casos terão um comportamento retrógrado. Tende a omitir a verdade com a desculpa de querer proteger as outras pessoas do que consideram muito doloroso. São intolerantes a realidade, preferindo ouvir uma mentira do que uma visão fria e realista dos fatos quando ela não é aquilo que a pessoa gostaria de ouvir. Mas são assim em nome da intensa necessidade de se proteger e de proteger os outros. São as mães do zodíaco, zelosos, cuidadosos, férteis e amorosos, sempre tentando zelar por aqueles que amam. 
Algumas personalidades famosas com Ascendente em Câncer:
Angelina Jolie
Julia Roberts
Einstein
Dalai lama
Bill Gates
Arnold schwarzenegger
Mariah Carey
Robert Pattinson
Mel Gibson

Ascendente em Gêmeos

Gêmeos é um signo de ar e mutável, masculino, de natureza sanguínea, domicílio diurno de Mercúrio e o seu gozo, já que neste signo Mercúrio também tem triplicidade. É um signo de Ascenção longa no hemisfério Sul, e de ascensão curta no hemisfério norte,  o que significa dizer que será mais comum você ver gente com Ascendente em gêmeos nascida no hemisfério sul, já que gêmeos passa mais de 2 horas por dia ascendendo por aqui.
Na astrologia Horária este é um bom signo, por sua natureza positiva, atenciosa e inteligente, mas o astrólogo pode olhar o querente com desconfiança de acordo com a natureza de mercúrio (quanto mais forte for mercúrio, mais íntegra é a pessoa que pergunta). De qualquer maneira, trata-se de uma pessoa influenciável, que tende a propagar tudo o que lhe for dito.
Na astrologia natal, indica pessoas com uma aparência vívida, as vezes representando menos idade do que o que realmente tem. Como em todos os signos ditos “humanos”, neste caso a beleza e a inteligência são marcantes, a não ser que mercúrio esteja muito enfraquecido. Indica agilidade e magreza, a não ser que mercúrio esteja retrógrado ou combusto. Fisiologicamente, o corpo se altera com grande facilidade: são pessoas que engordam ou emagrecem de forma mais rápida que o normal, e se mercúrio for fraco, tendem a oscilar bastante entre extremos.  Isso se aplica também na capacidade da pessoa de se recuperar de doenças. A índole da pessoa pode variar bastante também. Trata-se de uma pessoa muito sensível ao tédio, sempre em busca de alguma novidade, de algum novo estímulo.
As vezes são acusados, com razão, de serem pouco honestos. Não são apegadas a verdades absolutas, encaram disciplina e ordem como coisas opressivas e em geral desdenham das certezas alheias. Isso faz com que a moralidade e a ética sejam conceitos por demais flexíveis na mente desta pessoa. O fato é que em geral ela não é má intencionada, na maioria das vezes ela age tal qual uma criança brincalhona, sedenta por experimentar coisas novas.
Algumas personalidades famosas com Ascendente em Gêmeos:
Sandra Bullock
Hillary Clinton
Pamela Anderson
Michele Pfeiffer
Mick jagger
Ricky Martin
Drew Barrymore
Osho
Juliane Moore
Tony Blair
Fidel Castro

Revolução Solar: O que é?

Trata-se de uma das enumeras técnicas de previsões baseadas no mapa de nascimento. É o cálculo do mapa do momento exato do aniversário, ou seja, quando a terra completa uma translação ao redor do sol, coisa que observamos quando vemos que ele retornou exatamente para o mesmo grau em que estava quando nascemos.
Não se trata de uma técnica moderna, muito pelo contrário: suas origens são incertas, mas existem registros sobre seu uso desde a época dos romanos. O que ocorre é que, apesar de o principio essencial ter se mantido, os autores modernos acabaram por fazer (por conta própria) certas alterações. Mas ainda assim, essa é praticamente a única técnica de previsão que persiste até hoje como sendo de uso corrente e popular.
É muito comum pessoas procurarem astrólogos para “dar uma olhada na Revolução Solar” mas é interessante estar consciente de que sozinhas, as revoluções solares são inócuas, pouco dizem sobre o ano da pessoa. Elas precisam ser conjugadas com outras técnicas, em especial com as direções primárias, os trânsitos (sobretudo de saturno) e progressões.
Na revolução solar analisamos o Ascendente e seu regente, que dão o “colorido” do ano. Mesmo que você tenha um ano repleto de aspectos jupterianos nos trânsitos e uma direção primária venusiana deliciosa, se o ascendente cair em Escorpião o ano será invariavelmente tenso pela natureza do signo de escorpião, regido por Marte. Óbvio que essa tensão dependerá do estado de Marte e da casa onde o signo de escorpião cai ( casas 6, 12 e 8 tendem a ser péssimas, enquanto que as casas 10, 11, 5 e 1 já prometem anos melhores).
Mesmo que você tenha uma direção primária cavernosa e esteja atolado de aspectos tensos de saturno ao longo do ano inteiro, se o ascendente cair num signo como Sagitário, e principalmente se júpiter estiver bem e se sagitário no seu mapa cair em uma casa boa, você passará um ano sorridente e idealista, enfrentará os obstáculos com ânimo e o que poderia ser terrível será encarado sob outra perspectiva.     
A lua nas revoluções solares é muito importante, é necessário verificar em que casa do mapa natal ela cai e que aspectos ela faz. Leve em conta esses aspectos, porque eles dirão muito a respeito do ano como um todo.
Os planetas na revolução obedecem a ciclos repetitivos. O mais notável é o ciclo do Ascendente. Ao longo de uma década, todas as revoluções solares tendem a ser vividas com o Ascendente na mesma modalide, incidindo provavelmente em casas da mesma modalidade no mapa. Quanto mais próximo do equador você viver, mais verdadeira é esta tendência (nem sempre isso ocorre, mas o que se pode garantir é que esta variação será sempre observada no meio-do-céu que tem ascenção reta, igual em todas as latitudes). Um outro ciclo interessante é o da Lua: Ela tende a passar até 3 revoluções seguidas no mesmo elemento (com algumas variações) e invariavelmente, aos 19 anos de idade ela estará quase no mesmo grau em que estava no momento de nascimento (por ocorrer o fechamento de um ciclo de saros nesta idade). Vênus estará no mesmo lugar a cada 8 anos, mas sempre nos arredores do Sol. Os outros planetas tem períodos próprios também mas não tão importantes.
É por conta desta natureza cíclica, repetitiva, que as revoluções solares não podem ser encaradas como eventos isolados. Elas formam uma corrente, mostram de que forma a lógica dos ciclos planetários repetitivos incidirão sobre o mapa e sobre a vida da pessoa. Por esse motivo, o local pra onde o mapa da revolução é levantado deve ser sempre o local de nascimento. Quando a pessoa nasce os ciclos e repetições da revolução solar já estão estabelecidos, ela não tem como fugir da lógica do seu momento pessoal, do seu destino.
Mas o que ocorre hoje é que Astrólogos desonestos (e alguns ignorantes) atormentam seus clientes com ameaças baseadas em revoluções solares catastróficas, sugerindo que o aniversário seja passado neste ou naquele local. Em primeiro lugar, não é com base em uma mera revolução solar que tais previsões  são passiveis de serem feitas, e em segundo, não existem autores na tradição que mencionem a possibilidade deste artifício. Não há como fugir dos ciclos naturais, e nossas revoluções vão estampando ano após ano ciclos que se repetem incessantemente na natureza, relacionados ao próprio processo de maturidade.
Por fim, esqueçam: revolução solar que não é conjugada com as outras técnicas vale o mesmo que nada!

transição

Amigos, este blog está passando por alguns ajustes. Comprei um domínio pra ele nesta manhã, e a partir de agora o blog vai se chamar MEGA ASTROLOGIA 🙂

o novo endereço será : www.megastrologia.com (engoli um dos “a” pra ficar mais simples), endereço que deve estar funcionando a partir de amanhã. Quem tem um link do meu blog em sua página, pode ficar à vontade pra mudar a partir de amanhã, apesar de isso não ser necessário porque o endereço antigo continuará redirecionando pro mesmo local. Como mudou o nome , e ao longo dos próximos meses mudará também a aparência dele, pra mim é como se tivesse começado de novo. O mapa do momento em que eu realizei a mudança a quem interessar:

Na verdade eu estava olhando uma horária pra um cliente e achei este  céu tão bonito e tão a minha cara que achei que não podia deixar pra depois 🙂 Não é a eletiva ideal, mas esse mapa entra em harmonia absoluta com o meu e eu acho que é isso que importa. E esse nome não foi à toa,  foi bem interessante também. Eu sonhei com ele antes! Pode parecer um nome simples mas me veio em sonho. Até achei, quando acordei, que provavelmente alguém já tinha escolhido esse, mas quando chequei, vi que estava disponível. 
Neste momento, o blog esta portanto em transição. Isso começou a partir do final da manhã. Me parece que o servidor está configurando o DNS do blog, e isso pode levar até 1 dia inteiro pra terminar. Portanto está bem difícil transitar pelo blog, mas isso deve estar completamente normalizado a partir de amanhã de manhã, ou mesmo antes se eu tiver sorte. Assim que concluir essa transição, vou mudar o título do blog. Abraço a todos e obrigado a todos os leitores que me acompanham!

Urano, a estrela errante

Sabemos que Urano foi descoberto acidentalmente por Hershel no século XVIII e até certo ponto não podemos descartar a importância de tal descoberta, já que aquela foi a primeira ocasião em que Urano foi classificado de acordo com o que ele realmente é: Um planeta, e um dos grandes, menor somente que júpiter e Saturno. Mas aquela certamente não foi a primeira vez que o ser humano vislumbrou Urano.
Você sabia que Urano pode ser visto a olho nu? É verdade! Mas não é fácil intercepta-lo. Em primeiro lugar, existe uma época específica do seu ciclo que permite melhores observações: é quando urano está mais próximo do Sol. Isso acontece quando ele passa por entre os signos de Leão, Virgem e Libra (Ou pelas constelações de Câncer, Leão e Virgem). Mesmo ao passar mais próximo do sol, ele fica visível somente na época da oposição com o Sol, Quando ele está no auge da sua iluminação aparente aqui pra terra. Além disso, tem horário e local específico pra enxergar Urano! Você vai precisar estar num local plano, sem iluminação artificial, de preferência numa noite de lua nova, próximo ao equador, e no horário logo após o por do sol. Como você fará a observação na época da Oposição de urano com o sol, logo após o por do sol você olha para o horizonte leste. Dependendo das condições climáticas ( o tempo tem que estar seco), e se você conhecer muito bem a constelação, conseguirá identificar urano como uma estrela débil, bem fraquinha mesmo. De acordo com alguns astrônomos, chega a ser mais fácil visualiza-lo se você não tentar focalizar diretamente sua posição, através de uma visão mais periférica. Mas pra isso, obviamente, é necessário um  bom conhecimento a respeito das estrelas que estarão próximas a Urano. Não tem muita graça afinal.
Com um binóculo ou uma luneta também é possível enxergar Urano em qualquer época do seu ciclo, bastando saber exatamente pra onde olhar, mas ele será somente uma estrela. Pra enxerga-lo realmente como o planeta que ele é, só na base do telescópio.
A questão é que muito antes de Herschel ter descoberto Urano, esse planeta já havia sido visualizado pelos árabes na época medieval. Mas ele era visualizado de forma tão esporádica, que os árabes o entendiam como uma estrela errante, sem importância. Foram poucos os que registraram tal estrela errante.
Então antes de sua descoberta oficial, o título nada honroso de Urano era este: uma mera estrela errante e sem nome, que foi visualizada por poucos. A descoberta de Urano tem algo de análogo com a história da descoberta da América.  Somente porque um Europeu o visualizou e catalogou e o compreendeu como planeta, não significa que ele não estivesse ali, ou que ninguém antes o tivesse observado. Da mesma forma, só porque os Europeus descobriram a América no século XV, não significa que ela não estivesse ali, ou que não tivesse sido visitada por outros povos (os vikings por exemplo). Além do que, a vida pulsava na América antes dos europeus, o termo “descoberta” é, portanto de uma profunda arrogância e prepotência. Penso que o mesmo vale pra Urano. Ele não tinha o mesmo nome, não estava posicionado nas mesmas convenções, mas ele já existia, sempre foi visível, só que daquela maneira particular dele de ser: a estrelinha errante.
Tomando consciência disso, não deve ser difícil, nem mesmo pra você que me lê e que acabou de descobrir isso agora, que as atribuições feitas em relação a Urano de certa forma podem ser questionadas. Dá a impressão de que jamais ocorreram revoluções antes da descoberta de Urano. E ainda que a Revolução francesa tenha sido grandiosa, sedições sempre foram comuns e acompanharam a humanidade ao longo do seu desenvolvimento, até Aristóteles escreveu e caracterizou esse tipo de evento. Diversas outras revoluções ocorreram após a Francesa, e até onde eu sei, não há um ritmo que possa ser associado a urano, já que praticamente a cada vez que urano muda de signo algum tipo de revolução eclode em algum canto da terra. O próprio Iluminismo não foi um evento isolado, e a descoberta de urano foi consequência das consequências iluministas. O Iluminismo foi algo crescente cuja origem foi anterior ao século XVIII, e que tomou suas maiores proporções várias décadas antes da descoberta de Urano.
Mas eu sei que não adianta nada eu falar tudo isso que eu disse. A maioria dos astrólogos quer mesmo é se arrepiar com as “incríveis” coincidências. Mas esses arrepios são perigosos, especialmente porque o que entendemos sobre a história de até então pode não passar de uma convenção. Pode, e não pode, na mesma proporção.
Mas óbvio que as atribuições dadas a Urano não vieram do nada. Alguns astrólogos começaram a anotar as posições de Urano nos mapas que eles calculavam, ainda que as efemérides da época não fossem das mais confiáveis. Vou transcrever abaixo mais um trecho do livro História da Astrologia, de Kocku Von Stuckrad:

Demorou algum tempo até que a descoberta de Urano fosse aplicada em respectivas interpretações, o que está relacionado também à dificuldade de elaboração de efemérides confiáveis. Um dos protagonistas mais importantes foi o aquarelista e astrólogo amador John Varley (1778-1842), que Patrick Curry chama “magus” astrológico (Curry, 1992, 18-45). Varley estava acostumado a registrar as posições de Urano nos horóscopos interpretados por ele, a observar seus trânsitos e buscar recorrências que pudessem ser generalizadas. Descobriu que sobretudo o contato entre Urano e Marte anunciava frequentemente mudanças súbitas e fortes na vida do nativo. Na manhã de 21 de junho de 1825 – Varley calculara, como todos os dias, suas constelações do dia – pediu ao seu filho Albert que levasse seu relógio de bolso ao relojoeiro, pois não poderia deixar a casa. Às 12, era de se esperar uma explosiva conjunção de aspectos sob a regência de Urano. Pouco antes das doze, sobrevieram-lhe dúvidas sobre se sua interpretação estaria correta; porém, de repente, alguém gritou de fora “fogo”, Varley saiu e viu que um incêndio passara da manufatura de pianos vizinha para a sua casa. Em vez de participar das tentativas de apagar o fogo, Varley sentou-se satisfeito para tomar nota deste acontecimento. Viu todo o seu patrimônio, não segurado, se extinguir em chama; mais tarde o pintor Copley Fielding perguntou-lhe se a perda seria grave. “Não”, respondeu, somente a casa foi reduzida a cinzas. Afinal, eu sabia que algo aconteceria (Curry, 1992, 19).     

 Eu me dei ao trabalho de abrir o mapa para a data e horário apontados na transcrição acima, data do incêndio e encontrei o seguinte: 
Podemos ver um Stelliun em Gêmeos, contendo os 2 maléficos, e uma lua recém ingressa em virgem, em péssimos lençóis, diante da barbárie que vai ter de encarar ao formar quadratura com cada um dos planetas do stelliun. estranhamente, não vemos uma “explosiva conjunção de aspectos  sob a regência de Urano” apesar de isso poder representar uma série de coisas. Urano aliás está em 18° de capricórnio e nem participa deste mapa, além de não aspectar o mapa do próprio Varley. Vamos olhar também o mapa de John Varley. Apesar de o horário ser desconhecido, temos a data de nascimento. Veja o mapa abaixo, sem horário: 
Agora podemos visualizar de onde Varley tirou suas previsões: Vemos que ele tem Urano em 19° Gêmeos, e uma lua que está em algum local entre 13° e 27° de Gêmeos (não temos horário, então não podemos considerar aquele grau de lua que aparece no mapa). E o stelliun geminiano, que culminava no momento previsto por Varley, realmente estava em conjunção com Urano, mas também com a Lua. E francamente, bastaria uma conjunção de Marte e saturno com a lua pra causar este tipo de evento, mas enfim. Não havia nenhum aspecto exato com Urano do mapa natal. O Urano em trânsito não toca em nada do mapa de Varley. Se essas coisas apontadas são suficientes pra sustentar as conclusões de Varley? Eu vejo isso com um pouco de desconfiança, apesar de saber que isso é o suficiente pra deixar muitos astrólogos satisfeitos e com a consciência tranqüila. 
Mas assim foram evoluindo os estudos a respeito de Urano. Na verdade existem poucos registros das buscas por significados de Urano, os estudiosos do século XIX tinham o hábito de aparecer com novos conceitos sem nem ao menos se darem ao trabalho de explicar de onde tiravam tais conceitos. Bastava que o público soubesse que se tratavam de pessoas iluminadas.  Mas mesmo correndo de forma tão tortuosa, chegamos aos conceitos amplamente aplicados de Urano nos dias de hoje, que sugerem imprevistos, surpresas, coisas e situações anormais, desvio do padrão.   
  

O processo de descobrimento e assimilação dos novos planetas na astrologia

Esse é o primeiro de uma série de posts onde eu vou tratar essencialmente desses novos planetas na Astrologia. Eu estudo essencialmente a Astrologia Tradicional atualmente, mas antes de embarcar nesta forma de pensar a Astrologia também estudei a Astrologia Moderna, e simplesmente não considero coerente que uma pessoa simplesmente abandone tudo o que estudou a respeito de um assunto só porque ficou exposta a um outro ponto de vista. Sou totalmente contra a anulação total da Astrologia moderna, mas também não posso deixar de considerar principalmente a forma ou o “método” dos Astrólogos modernos que é essencialmente vago ou inexistente. 
Gostaria de expô-los ao texto de um não astrólogo neste artigo. Trata-se de um historiador, Kocku Von Stuckrad, que trata deste tema: do processo de descoberta e assimilação dos novos planetas e asteróides na astrologia, em seu livro História da Astrologia (2007). O texto abaixo é a transcrição do subtítulo “Planeta sobre Planeta”, entre as  páginas 311 e 314: 

Por mais de 2 mil anos astrólogos trabalharam com sete planetas (incluindo-se o Sol e a Lua) e uma série de pontos de cálculo como o eixo do nodo lunar, o Ascendente e a Parte da fortuna. A razão para isso reside no simples fato de que só o olho nu enxerga apenas até o planeta Saturno e que, portanto, o reconhecimento de eventuais “transaturninos” requer a utilização de um telescópio. Pode-se facilmente imaginar como Astrônomos e astrólogos ficaram eletrizados quando o desenvolvimento do telescópio tornou possível a visão de regiões do universo cada vez mais distantes.   É verdade que aquilo que de fato se ocultava  atrás dos fenômenos dependia de uma interpretação – a discussão em torno das afirmações de Galileu Galilei e das “provas” empíricas o evidencia -, porém, cedo ou tarde, impôs-se a noção de que o universo ainda reservava uma série de surpresas.
Para a interpretação astrológica, isso representou um ganho e, ao mesmo tempo, um risco. Se realmente há transaturninos ou outros astros relevantes, então sua inclusão possibilita uma diferenciação da interpretação que abre a visão para aspectos completamente novos da interpretação do horóscopo. Ao mesmo tempo, contudo, surge a questão de saber se o material interpretativo elaborado então não seria, assim, inteiramente relativizado, pois representa evidentemente apenas uma pequena parte do jogo cósmico de forças de fato existente.  Até hoje é possível sentir esta ambivalência na discussão sobre novos astros, pois no século XX foram descobertos, ano a ano, centenas de planetas, planetoides, asteroides, cometas ou meros fragmentos rochosos que basicamente poderiam ser todos candidatos a uma interpretação astrológica. O instituto de astronomia Teórica de são Petesburgo publica anualmente uma lista de asteroides e suas órbitas. Nesse meio-tempo, eles já são mais de 5 mil. É difícil dizer quais entre eles são relevantes do ponto de vista astrológico.  
Como lidar, então, com esse problema? Na corporação há diferentes facções envolvidas numa discussão por vezes encarniçada. De um lado estão os tradicionalistas, que se atém estritamente aos sete planetas clássicos – no máximo, completados por Urano, netuno e Plutão -, com o argumento, sem dúvida vigoroso, de que já existem problemas suficientes em interpretar de maneira adequada as relações múltiplas e extremamente complexas entre esses fatores. Uma ampliação não contribuiria para o esclarecimento, mas, no máximo, abriria as portas à arbitrariedade. Além disso: por que interpretar de igual modo tudo o que pode ser visto no céu?
Do outro lado estão aqueles que insistem – completamente em consonância com a tradição esotérica – em que a descoberta de novos fatores teria um significado específico e que deveríamos nos arriscar a uma diferenciação da interpretação. Plutão é um bom exemplo disso: sua descoberta, no ano de 1930, foi tida posteriormente como claro anúncio da Segunda Guerra Mundial, do nazismoe da bomba atômica (plutônio!); não era, portanto, “coincidência” que o tempo agora estivesse “maduro” para que esses planetas fossem inseridos na interpretação. Algo semelhante ocorreu em relação a Urano, que hoje – como representante do signo de Aquário – simboliza os ideais de liberdade e revolução. O fato de ter sido descoberto justamente em 1781, pouco antes da revolução Francesa, deve ter dado o que pensar! Não é fácil separar aqui causa e efeito. Como só se chega a um acordo a respeito do significado de novos planetas e sua classificação nos signos zodiacais no decorrer de uma longa discussão, é evidente que a interpretação cultural e histórica dos acontecimentos da época influencia decisivamente a formação de interpretações astrológicas. Astrólogos não o negarão, mas via de regra insistem em que a discussão cultural é justamente um reflexo do desenvolvimento geral, como também pode ser percebida em relação aos planetas.
A questão, mais especificamente, é sobretudo sobre os seguintes corpos celestes: após a descoberta de urano foram encontrados cinco asteroides que receberam os nomes de Ceres (1791), Pallas (1802), Juno (1804), Vesta (1807) e Astraea (1845). O maior planeta depois de Urano  foi descoberto em 1846 e chamado de Netuno.   Como Mercúrio não se movimenta de acordo com as leis da gravidade de Newton, supunha-se (com razão) que deveria haver ainda outros fatores que causassem uma tal divergência. Alguns ( por exemplo, o americano Lewis Herman Weston) afirmaram ter descoberto um planeta chamado “Vulcano” entre o Sol e Mercúrio; a inútil busca por Vulcano ainda persistiu mesmo quando foi possível explicar de forma conclusiva a divergência da órbita de Mercúrio com a ajuda da teoria da Relatividade de Einstein.
Com um outro planeta, a situação foi mais favorável: o astrólogo francês Fomalhaut (o padre Charles Nicoullaud) afirmou em seu escrito ‘Manual d’astrologie sphérique et judiciaire’ (Paris, 1897,316) que haveria um transnetuniano ao qual se deveria dar o nome de Plutão. Após uma intensiva busca no observatório Lowell, plutão foi, de fato descoberto no ano de 1930. O achado, no entanto, foi decepcionante na medida em que esse “planeta” era demasiado pequeno para que pudesse ser utilizado em interpretações tão fundamentais, como as que logo foram produzidas na corporação astrológica. Porém, hoje praticamente não há escola astrológica que não considere o fator Plutão –  em razão de suas próprias demonstrações abrangentes de interpretação – como imprescindível. Resta esperar como os astrólogos lidarão com a descoberta do maior objeto do Sistema Solar desde 1930, o corpo celeste no cinturão de Kuiper batizado de Quaoar, segundo um mito indiano. Astrônomos do California Institute of Technology, que descobriram Quaoar em 2002, supõe que lá há ainda outros blocos do tamanho de Plutão, cujo status de planeta tornou-se dessa maneira questionável.
Em 1977, foi descoberto o asteroide Chiron, que, da mesma forma, logo tornou-se protagonista de muitas escolas astrológicas, já que realiza uma órbita bastante excêntrica entre saturno e Urano e, assim, é algo como um “embaixador” entre os “planetas pessoais” cujo círculo se fecha com Saturno, e os “planetas transpessoais”, ou seja, os transaturninos. Ao lado de chiron e dos asteroides do século XIX, a “Lua Negra” também desempenha atualmente um importante papel. O astrólogo inglês sepharial (nomes hebraicos de anjos eram à época muito populares como pseudônimos; na verdade ele se chamava Walter Richard [Gorn] Old) foi o primeiro a descrever esse fator “descoberto” em 1897 e propôs o nome de Lilith (The Science of forecast, Londres, 1918), popularizado a seguir pela americana Ivy M. Goldstein-Jakobsen em seu livro The Dark Moon Lilith in Astrology (Pasadena, 1961). Porém, a busca de um corpo celeste chamado Lilith malogrou e hoje o nome se impôs como denominação do ponto focal da órbita lunar (o apogeu lunar).   
Termina aqui a parte transcrita do livro. 
Em post futuro veremos este assunto mais a fundo. Por que tantos astrólogos modernos relutam em assimilar asteróides, mas aceitam prontamente objetos bizarros como Chiron?