A constelação de cão menor

A constelação de cão menor se originou de um asterismo antigo formado apenas por 2 estrelas , com origem na Mesopotâmia. É uma constelação bem pequena , mas contem a oitava estrela mais brilhante de todo o céu noturno. Tem apenas 183 graus quadrados de área, e está próxima das constelações de Gêmeos , câncer, Hidra e Unicórnio.

A constelação do Unicórnio , também conhecida como Monoceros , apresenta uma área bem mais extensa. A constelação de Cão Menor aparece como que cavalgando o unicórnio. Ela foi criada somente no século XVII, mas a área que ela ocupa tinha uma constelação persa chamada “Neper”. Ela não apresenta estrelas muito brilhantes e ocupa uma área de 482 graus quadrados. Está próxima de cão menor e maior, orion, gêmeos , lebre, pupa (argo navis) e hidra.

Mitos associados a constelação de Cão Menor

Na Grécia antiga está constelação recebia o nome de sua estrela alfa, Procyon. Essa palavra significa “o cão depois” indicando que esta constelação nasce logo depois da constelação de Cão Maior. Além disso , Procyon é também o nome do gênero dos Guaxinins, animais de pequeno porte semelhantes a uma mistura de gambá com cachorro. O termo romano era mais explícito , e chamava essa constelação de “antecanis”. Mais tarde essa constelação foi chamada também de “Felis”, que significa gato.

Em termos mitológicos , essa constelação é quase sempre vista em paralelo com a constelação de Cão maior e Orion.

Egito antigo

No Egito , cão maior era associado a Isis, e outra constelação próxima, Órion, era associada a Osiris. Anubis que era filho somente de Osiris, foi adotado como filho de Isis quando esta se casou com Osiris. Anubis era assim associado a constelação do Cão menor (incluindo outras estrelas de constelações próximas). Então na realidade quando vemos as constelações de Órion, Cão maior e Cão Menor ascendendo , estamos na realidade assistindo à ascenção de uma das famílias mais poderosas e cultuadas e de todos os tempos.

Anubis era um deus relacionado aos funerais, a cerimônia de mumificação e tinha o papel de preparar os mortos para o além-vida. Hermes é uma sincretização grega tanto de Toth (associado a constelação de Sagitário) quanto de Anubis (na região do cão menor, mas também bem próximo de gêmeos). Nesse sentido Anubis era um mensageiro, e estava relacionado a essa transição entre vida e morte. O fato desta ser uma das divindades mais conhecidas do antigo Egito hoje em dia se deve mais ao fato de que a maioria dos monumentos que restam hoje em dia da civilização egípcia são monumentos mortuários.

Além de tudo, Anubis apresenta uma forma antropomórfica, com corpo de homem e cabeça de chacal. Com o chacal sendo um animal muito apropriado para figurar na constelação do cão menor, porque ele se parece com um cachorro, mas ainda é menor do que um lobo por exemplo.

Grécia

Esta constelação representa um dos cães de Órion, o grande caçador; Entretanto, esses cães também são associados a Ártemis, a deusa da caça. Ártemis era a melhor caçadora que já existiu, e naturalmente foi a dona dos melhores cães de caça que ja existiram e que figuram nas constelações de Cão maior e Menor.

Entretanto, outro mito associa esta constelação a Virgem e Bootes. Icarius de Atenas adorava ao deus do vinho, Dionísio, e foi ensinado por ele a fabricar o vinho. Um dia Icarius ofereceu vinho a alguns pastores, que ficaram bêbados e decidiram lhe matar porque pensaram que ele havia tentado lhes envenenar. A filha de Icarius , Erigone, foi procurar seu pai acompanhada de sua cadela, Maera. Com ajuda de sua cadela, ela encontrou o corpo do pai morto e se suicidou em tristeza.

Dionísio ficou enfurecido com a cidade de Atenas e enviou contra ela um pestilência que causava insanidade em todas as mulheres virgens ou não casadas, levando todas elas ao suicídio. A praga perdurou enquanto Atenas não criasse rituais em homenagem a Icarius, e Dionísio colocou Icarius no céu como a constelação de Bootes, Erigone como a constelação de Virgem e a cadela Maera como a constelação de Canis Minor.

Monoceros, o Unicórnio

Apesar dessa constelação não aparecer nos livros tradicionais, que normalmente figuram somente as constelações listadas por Ptolomeu e Manilus, é interessante citar a criatura simbolizada nessa constelação e explicar sua origem.

Unicórnios eram abundantes nas representações artísticas da Europa Medieval e Renascentista. São um símbolo de pureza, porque são retratados como cavalos indomáveis e agressivos. Entretanto, o toque de uma donzela virgem os acalmava , e eles poderiam inclusive dormir no colo de uma donzela que os tocasse e acarinhasse.

Acredita-se que a lenda dos Unicórnios se originou a partir da descoberta de fósseis de parentes antigos dos rinocerontes no continente europeu, em especial do eslamotherium. O chifre dos narvais também era vendido como prova da existência de unicórnios.

Anatomia das Constelações de Cão Menor e Monoceros

Cão Menor é uma constelação de pequeno porte , que costuma ser melhor observada no verão e outono brasileiro. É visível em todo território nacional, ficando próxima do equador celeste. É facilmente identificável pelo brilho de sua estrela alfa, Procyon. Trata-se de uma estrela brilhante que fica ao sul da constelação de Gêmeos.

Gomeisa Beta (β) Canis Minoris22°29′ de Câncer
Procyon Alpha (α) Canis Minoris26°00′ de Câncer
Lucida Alpha (α) Monocerotis29°21′ de Câncer

Monoceros é uma constelação um pouco maior, mas que não forma asterismo. Algumas de suas estrelas são facilmente visíveis, mas a maioria delas é mais difícil de identificar. Uma característica dessa constelação é que ela ocupa uma posição equatorial no céu, se estendendo ao longo da via láctea.

Gomeisa, Beta (β) Canis Minoris, é uma estrela localizada na coleira do cão menor. O nome vem do árabe e significa “a que chora” ou “a de olhos lacrimejantes”. Isso ajuda a entender a conexão dessa constelação com água e afogamentos.

Procyon, Alpha (α) Canis Minoris é uma estrela localizada no corpo do cão menor. É a mais brilhante da constelação, e uma das mais brilhantes no céu, e se localiza numa região cercada de outras estrelas muito brilhantes das constelações de touro, Órion, Cão Maior e Leão. O nome é de origem grega , e significa “o cão que vem depois”, em alusão ao fato dela ascender depois de Cão maior.

Lucida, Alpha (α) Monocerotis, se localiza na calda do Unicórnio. Significa brilhante em latim. Entretanto, esse não é um nome oficial, apenas apareceu em algumas representações renascentistas.

Significado Astrológico da constelações de Cão Menor

Cão Menor é considerada uma constelação de natureza neutra. Ela indica amor aos animais , risco de mordedura de cães e é associada a água e afogamentos. Isso pode estar relacionado ao fato de ela estar como que na beira da via-láctea, com a via-láctea frequentemente sendo associada a um rio. Monocerus, como dito anteriormente, se localiza na região por onde passa a via-láctea naquela área.

Monoceros não apresenta significado conhecido , e como não apresenta estrelas muito brilhantes também, figura neste artigo apenas como mera curiosidade.

Dentre as estrelas de Cão Menor Gomeisa não parece ser muito afortunada, significando afogamento , naufrágios e outros incidentes envolvendo a água. Procyon porém, é considerada muito afortunada. É uma estrela ligada a sucesso, criatividade e fertilidade. Entretanto, ela conserva o sentido geral da constelação, alertando também para riscos envolvendo a água.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.