Introdução a Astrologia Horária

A astrologia horária é a técnica oracular da Astrologia, onde você pode fazer uma pergunta para o astrólogo, que levantará o mapa do momento em que ele decidir responder a essa pergunta. A resposta virá de forma tão direta quanto for a pergunta. E quanto mais confusa , dúbia e cheia de possibilidades for a questão, assim se refletirá a resposta, que ao final não satisfará o querente. É uma técnica onde o que se pergunta e a maneira de perguntar faz toda a diferença. Quanto mais objetividade, maior capacidade de síntese e quanto mais ancorada na realidade for a pergunta, mais pontual, precisa e consistente será a resposta.

A astrologia horária é extremamente simples e direta. De uma maneira geral , se define o querente e o quesito no mapa horário e se analisa o estado cósmico dos regentes e a relação entre eles para a resposta. Uma descrição interpretativa desses regentes pode ser inferida a partir daquilo que o mapa informa, mas isso geralmente não é exatamente necessário. Em alguns casos, somente uma análise do querente, ou do quesito já respondem a pergunta. Em outros, múltiplos elementos podem precisar ser considerados, mas na imensa maioria dos casos as questões são definidas de maneira extremamente simples.

A astrologia horária é a melhor técnica para se compreender a astrologia como um todo, aprender sobre os símbolos e desenvolver habilidades interpretativas extremamente úteis para aplicações mais complexas da astrologia. Isso porque ao lidar com a astrologia horária lidamos com o presente, com a realidade concreta e imediata , e podemos verificar com relativa velocidade se algo aconteceu ou não como nós interpretamos.

A astrologia horária pode parecer complexa pela quantidade de regras que existem , mas é justamente isso o que torna ela fácil de ser exercida, e aconselhável para os iniciantes na astrologia, porque nela você é guiado por uma técnica muito sofisticada. As questões vão depender mais da aplicação correta da técnica e menos da capacidade interpretativa do astrólogo. E a interpretação é uma coisa que exige muito tempo e prática para ser afinado, porque não é algo que pode ser ensinado, é uma habilidade que precisa ser desenvolvida.

Pode-se perguntar sobre uma infinidade de assuntos: Trabalho, romance, saúde, questões judiciais, acadêmicas, etc. O importante é definir com clareza o que se quer saber , e fazer a pergunta de maneira direta, fornecendo ao astrólogo um contexto e as expectativas que você tem em relação ao assunto.

Astrologia Horária : o que não perguntar

Deve-se evitar perguntar sobre coisas que ainda estão no campo das possibilidades condicionadas a eventos, pessoas ou sorte. Especialmente se aquilo pelo qual você perguntar depender diretamente de algo que ainda não aconteceu. Um exemplo: O querente pode perguntar se será bem sucedido numa pós-graduação superconcorrida, em universidade prestigiada, quando ainda nem foi submetido aos testes e entrevistas que lhe permitiriam ingressar nessa empreitada. Ele está perguntando sobre algo com o qual ele flerta e fantasia, mas que ainda não é realidade. Na verdade , ele seria mais sábio se focasse inicialmente no mais básico: saber se ele vai sequer ingressar.

Deve-se evitar perguntas com múltiplas opções. É frequente que estejamos diante de duas ou até três possibilidades diferentes dentro de uma questão , isso é válido e possível na astrologia horária, mas quando o número de alternativas vai além disso , é sinal de que está faltando foco na hora de realizar a pergunta. É necessário se concentrar nas alternativas melhores, e sempre ser capaz de definir uma hierarquia daquilo que é mais importante, ou o que é mais preferível que aconteça.

Perguntas abstratas, de caráter filosófico ou metafísico não podem ser respondidas pela Astrologia Horária. Se algo não é concreto, não pergunte por isso. Algumas questões sobre espiritualidade, intuições e sonhos até podem ser respondidas, mas tudo aquilo que foge do escopo do interesse pessoal de quem pergunta, e vai para o campo de um interesse coletivo, inespecífico e que muitas vezes depende do credo individual, por isso não pode ser respondido adequadamente pela técnica.

Perguntas sobre eventos políticos muito abrangentes devem ser evitadas quando não existe um interesse genuinamente pessoal no desfecho. Levantar uma horária sobre o destino da sua nação, além de ser pretensioso,é tecnicamente desnecessário já que existe toda uma abordagem da astrologia que é direcionada especificamente para isso: Astrologia Mundana. Mas é claro que se você é candidato, se trabalha em uma campanha, se tem um interesse profissional na história , aí a pergunta é válida.

Perguntar sobre questões vitalícias, isto é, inespecíficas. Exemplos: Serei rico um dia? Quando vou me casar (sendo que não existe nenhum pretendente em vista)? Qual carreira eu deveria seguir? A Astrologia Horária pode responder se você vai lucrar em um negócio específico , mas não descrever sua vida financeira de maneira total. Pode falar das tendências de um relacionamento que existe, e pode lhe aconselhar quanto a uma vaga de trabalho específica ou empreendimento. Mas pra saber sobre a sua carreira, vida financeira e tendência gerais relacionadas a matrimônio , existe a astrologia natal para responder a essas questões. Isso está mais relacionado ao fato de a Astrologia Horária ser melhor para questões delimitadas em um tempo específico e conhecido, e para questões mais imediatas. O astrólogo pode apelar para Astrologia Horária nesses casos, somente quando o mapa do querente não é conhecido, mas a forma de se perguntar deve ser refinada para se tornar menos abrangente.

Astrologia Horária: Exemplo 1 – Onde está o gato?

Este exemplo é exatamente o mesmo apresentado pelo astrólogo John Frawley em seu livro “The Horary textbook” (inclusive fica a dica do livro). O mapa usado é exatamente o mesmo que ele usou. A pergunta é : “Onde está o gato?”. Trata-se de um gato da vizinhança , que visitava o querente com alguma frequência , e que de repente desapareceu. O querente estava preocupado em relação a segurança do bichano. O mapa foi levantado para o dia 30/08/1998, 9:20 da manhã, na cidade de Londres, Inglaterra. Veja o mapa abaixo:

O gato é um animal de pequeno porte, assunto de casa 6. Vemos que a casa 6 se encontra no signo de Peixes , então, nos referimos ao planeta Júpiter para representar o gato nesta horária. Júpiter está domiciliado, e na própria casa 6. Sendo assim, a pergunta é respondida de maneira bem direta. Onde está o gato? Em sua própria casa. A julgar pela dignidade de Júpiter, podemos inferir que o gato está bem. Pela natureza do signo onde o regente se encontra, podemos ir além e dizer que o gato está muito confortável. Mais ainda: A retrogradação de Júpiter é um sinal de que ele eventualmente voltará. Quando? Como Júpiter é muito lento , neste caso nos referimos a lua para determinar o tempo que o gato leva para voltar até a casa do querente. Vemos a lua em Sagitário, aplicando um sextil bem próximo com o Ascendente , estando em signo mutável e casa cadente, e a menos de 1 ° do aspecto exato, podemos dizer que o gato retorna em 1 dia, talvez menos.

Astrologia Horária – Exemplo 2 – Sobre um navio em Alto mar.

Este exemplo um pouco mais complexo foi retirado do livro “Astrologia Cristã” de William Lilly (Livro 2), na seção onde ele descreve questões de casa 1. Apesar da associação dos navios a viagens (e a casa 9 por conseguinte) , aqui a pergunta não é sobre uma viagem, mas sobre a integridade e o estado atual do navio. O mapa é calculado para 07/01/1645, 15:31, Londres, Inglaterra. Veja o mapa abaixo:

Aqui o querente, um comerciante, indagou do estado material de um navio, se estava navegando ou se havia afundado, e onde (em que costa ou porto) ele estava naquele momento. Lilly respondeu que o navio estava inteiro, e ancorado em um porto localizado a oeste de Londres. Para responder a essa pergunta Lilly considerou o Ascendente e o seu regente para descrever o estado atual no Navio. Lilly considerou todos os aspectos ao Ascendente , além do estado cósmico do regente do Ascendente , neste caso a Lua para fundamentar sua interpretação. Com Sol e Saturno em atrito com o Ascendente em Câncer, Lilly disse que se tratava de um navio velho e que estava avariado , mas julgou que ele estava inteiro ainda porque ele era regido pela Lua exaltada no signo de Touro e em conjunção com Júpiter, um benéfico. Considerou ainda que o trigono entre a lua e o sol intervinha no aspecto maléfico ao ascendente, diminuindo seu dano. Além disso, a lua na 11 sugeriu que o navio estava ancorado em um porto e recebendo reparos, pela natureza benéfica da casa 11, que é como um porto seguro efetivamente. Para a direção, Lilly considerou a posição da Lua por signo e casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.