Saturno representa tudo o que é muito seco, árido e o frio extremo. Representa o envelhecimento, a deterioração, a morte e o apodrecimento. Tudo o que é escuro e que fica abaixo da terra é da natureza de saturno. Tudo o que é negro, cinzento ou doentiamente pálido tem sua natureza. Os restos, o refugo do que quer que seja, aquilo que é rejeitado, abandonado está entregue a saturno. Em si mesmo ele é o frio glacial e a secura, o amargor, a adstringência. Por isso ele rege diurnamente a triplicidade do ar, pois em signos aéreos sua natureza terrivelmente fria, seca e doentia é abrandada. O silêncio, o vazio, todo e qualquer local ermo, abandonado, os cemitérios, as minas, cavernas, penhascos, são as paisagens tipicamente saturninas.

No corpo humano está ligado especialmente aos ossos, as unhas, a pele, ao cabelo e a todos os pelos. Suas doenças são as crônicas, que representam um longo sofrimento e as depressões, assim como tudo o que não tem cura. Rege também a paralisia, o engessamento e qualquer forma de impedimento.

Ele representa a seriedade, o compromisso, a experiência proveniente dos anos, tudo o que é tradicional. Representa as pessoas de idade avançada, tudo o que é sólido, concreto, certo. Representa ordem, paciência, disciplina, a frieza comportamental, a austeridade. Tudo o que demora, o que demanda espera, o que é difícil, penoso, o que requer mais esforço, o caminho mais difícil. Seu domicílio diurno é Aquário, seu domicílio noturno é Capricórnio e sua Exaltação é Libra.

SATURNO E O CHUMBO

Para os alquimistas medievais o Chumbo era o metal mais antigo da natureza e vem daí sua associação com Saturno, que na astrologia representa a passagem do tempo, tudo o que é velho, decrépito, antigo e deteriorado. A associação do chumbo com saturno também se devia ao simbolismo alquímico geral do chumbo, de representar tudo o que é pesado, denso, obscuro e lento. O símbolo químico do Chumbo é o Pb, derivado do latim Plúmbeo. É um metal resistente e ao mesmo tempo muito maleável, e um dos primeiros a ser utilizado pelo homem, sendo até hoje um dos mais usados em todo o mundo. O envenenamento por chumbo é chamado até hoje de Saturnismo. É um elemento com praticamente nenhuma função fisiológica no organismo, mas sua presença é tolerável em pequenas quantidades. É encontrado no nosso corpo especialmente nos ossos.

As cinzas e o pó de qualquer outro metal, as sobras, o refugo, o que não se aproveita mais, tudo isso também acaba sendo associado a saturno.

ROCHAS DE SATURNO

A safira asul, atribuída também pela tradição Hindu a este planeta, ainda que algumas referências contemporâneas apontem essa pedra como regida por Júpiter de acordo com Lilly está atribuída a Saturno.

O Lápis-Lazúli, que significa literalmente Pedra azul, é uma das pedras ornamentais mais antigas, sendo seu uso datado desde 7000 anos atrás. Sua associação mais forte é com os signos do elemento ar, pois é uma pedra tradicionalmente entendida como promotora da amizade, sendo Saturno o regente diurno da triplicidade do ar

Todas as pedras negras e cinzentas como o ônix e a Obsidiana.

A Obsidiana é conhecida pelo seu significado negativo, sendo atribuído a ela o poder de ampliar as energias negativas. É conhecida também como “pedra do bruxo” e é associada também ao signo de escorpião e ao planeta plutão.

O ônix é uma pedra associada a disciplina, seriedade e concentração, usada por alguns esotéricos para espantar a negatividade.

VEGETAIS DE SATURNO

Qualquer vegetal venenoso, com potencial de causar a morte, é atribuído aos planetas maléficos, mas sobretudo a Saturno. Tudo o que é amargo, adstringente, de aparência melancólica, e qualquer espécie vegetal quando está definhando pela ação dos anos também pode ser associado a saturno

Dentre as ervas venenosas mais conhecidas está a cicuta, aquela utilizada na execução de Sócrates.

O helleborus era usado em pequenas doses como remédio na medicina tradicional, mas em doses elevadas pode levar ao óbito, levando a sintomas de natureza bem saturnina: Asfixia, sensação de sufocamento, diminuição da circulação sanguínea e conseqüentemente a morte.

O Henbane é uma erva alucinógena quando usada em pequenas doses, e mortal em doses maiores. Era esta a erva usada pela sacerdotisa do templo de Delfos em seu oráculo.

A Mandrágora, outra planta alucinógena em pequenas doses e mortífera em doses mais intensas, usada em rituais mágicos tem como peculiaridade sua raiz que lembra a forma humana.

A samambaia, pelo seu simbolismo associado a tudo o que é antigo.

Os musgos, pois se desenvolvem somente onde não há incidência direta de luz, em locais escuros, abandonados, da natureza típica de saturno.

Dentre as árvores saturninas, Lilly cita, dentre outras:

Pinus

Cânhamo (e a maconha é uma espécie de cânhamo)

Cipreste

Salgueiro

ANIMAIS DE SATURNO

Na verdade qualquer animal que está vivendo além da quantidade de anos que se espera que ele viva é atribuído a saturno, já que ele rege tudo o que é velho. Dentre os animais listados por Lilly podemos citar:

Todo e qualquer verme que surge a partir da morte e que atua na decomposição dos cadáveres.

Animais peçonhentos e rastejantes de modo geral tem a natureza dos maléficos.

Os porcos

O elefante

Ratos

Lagartos

Tartarugas

Morcegos

Corujas

Gafanhotos