A constelação de Gemini

Gemini ou Gêmeos é uma das constelações  do zodíaco localizada na porção Norte do
planisfério celeste, por onde passa a linha da eclíptica (o caminho anual
percorrido pelo Sol) e que atualmente marca o solstício de Verão no hemisfério
Norte e o solstício de Inverno no hemisfério sul, correspondendo na realidade,
em grande parte, com o signo de Câncer. 
Atualmente (entre julho de 2013 e junho de 2014) o planeta
Júpiter pode ser visto passando por esta constelação. Muitas mitologias trazem os
gêmeos, figuras que desde tempos remotos intrigam a todas as culturas. Os
gêmeos quase sempre são retratados como jovens guerreiros. Na mitologia
Greco-Romana a constelação de Gemini corresponde aos gêmeos Póllux e Castor,
que por sua vez dão o nome para as principais estrelas da constelação.
Castor e Pollux na mitologia grega são irmãos gêmeos filhos
da mortal leda, porém de país diferentes. Pollux era filho de Zeus (sendo assim
imortal) e Castor era filho de Tíndaro, sendo assim um mortal. Inseparáveis, os
dois irmãos eram chamados as vezes de Dióscorus (filhos de Zeus, apesar de
somente um deles o ser de fato), as vezes de Castores. Etimologicamente seus
nomes estão relacionados diretamente ao animal Castor da natureza, conhecido
pela sua engenhosidade (é aquele animal que constrói represas com gravetos).  
Leda era a rainha de Esparta, esposa de Tíndaro. Era uma
mulher muito bela e íntegra, e por isso chamou atenção de Zeus, que se
metamorfoseou em um Cisne para conquista-la. Zeus apareceu pra Leda na forma de
Cisne quando ela se banhava em um lago. Encantada com a beleza do animal, ela o
colocou no seu colo. Foi o suficiente pra que Zeus conseguisse fecunda-la.
Desse intercurso, nasceram 4 criança colocadas em 2 ovos que continham cada um
deles um casal de irmãos: Pollux e Helena (filhos de Zeus) e Clitemnestra e
Castor (Filhos de Tíndaro). Os filhos de Zeus foram adotados por Tíndaro e
foram todos criados juntos e eram muito unidos. Existe uma constelação no céu
(Cygnus, o Cisne) que representa Zeus metamorfoseado, simbolizando este evento
peculiar. E a constelação de Gemini, representando especificamente Pollux e
Castor por que eles eram figuras populares, considerados protetores dos
navegantes.
Pollux e Castor eram guerreiros muito valentes e um dos seus
maiores feitos foi a expulsão dos piratas da costa da Grécia, onde lutavam
completamente desarmados. Por esse motivo eram tidos como protetores dos
navegadores. Fizeram parte também da comitiva dos Argonautas na busca pelo velo
de ouro. Como Castor era mortal, quando este morreu Pollux implorou por sua
vida a Zeus solicitando que ele também lhe concedesse a imortalidade. Dessa
forma Zeus teria os colocado no céu na constelação conhecida como Gemini.
Na Índia existe uma dupla de Gêmeos que também é associada a
essa constelação. A diferença é que os gêmeos indianos são de sexos diferentes!
Um deles se chama Yama e a outra se chama Yami. A palavra yama significa gêmeo
em sânscrito. Yama na mitologia hindu foi o primeiro homem a morrer, e em
virtude do seu “pioneirismo”, tornou-se regente dos mortos.  
O interessante é que o principal paralelo que
encontramos entre Yama e Yami e a mitologia grega está no mito de Hades e
Perséfone. Dessa forma, Os gêmeos, numa perspectiva hindu seriam os
equivalentes ao que conhecemos por Hades e Perséfone, com a diferença de que
além de Yama e Yami formarem o primeiro casal de todos, eles eram também irmãos
gêmeos. Diante disso é que eu considero cada vez mais curioso o fato de que já
vi astrólogos modernos sugerindo que Plutão tenha sua  “exaltação” no signo de Gêmeos, por
motivos que passam longe dessa história obviamente.
Os Maias e Astecas da América Central também tinham um mito
que envolvia gêmeos. Hun Hunahpu e seu irmão (não gêmeos)  Vucub Hunahpu  adoravam o jogo de bola mesoamericano, e
produziam muito ruído enquanto jogavam, o que irritou aos deuses que viviam nos
subterrâneos da terra; Os deuses os convocaram até sua morada onde os
desafiaram em um jogo mortal do esporte mesoamericano. Como foram derrotados,
os irmãos foram mortos. Ao morrer, entretanto, Hun Hunahpu fecundou uma semente
que daria origem aos irmãos gêmeos heróis da mitologia mesoamericana, Hunahpu e
Ixbalanqué. Os dois irmãos cresceram com a missão de vingar a morte do pai e
tio e por isso se tornaram exímios jogadores do esporte, indo até o submundo
onde viviam os deuses, desafiando-os para uma partida do esporte e conseguindo
inclusive matar alguns desses deuses, saindo de sua jornada com a promessa
feita pelos deuses de que os humanos não seriam mais importunados.  
Esse estranho esporte mesoamericano é uma das coisas mais
interessantes na cultura mesoamericana. Existem vestígios de sua prática a no
mínimo 3600 anos, já era praticado entre os antigos Olmecas, a civilização que
habitou a América Central antes dos Maias e Astecas. Já nessa época eles
conheciam a borracha, extraída do látex da seringueira, e abola usada no
esporte era feita de borracha. Foram encontrados estádios em ruínas desse esporte
desde a porção sul dos Estados Unidos até a Costa Rica e em diversas ilhas do
Caribe, incluindo Cuba. O látex era associado ao sêmen, e por isso a prática
desse esporte era uma espécie de culto à fertilidade, ou uma disputa entre
machos pra se definir o mais fértil dentre eles, já que a bola e a posse dessa
bola simbolizava esse tipo de supremacia. O esporte era muito violento e mortes
eram frequentes. Frequentemente em partidas “oficiais”, o capitão do
time derrotado era sacrificado para os deuses numa alusão a mitologia que
envolvia a história dos gêmeos Hunahpu e Ixbalanqué.          
Voltando a Grécia antiga, uma das representações da
constelação de gêmeos não apresentava os Dióscorus, mas sim uma dupla de deuses
do olimpo, filhos (não gêmeos) de Zeus: Hermes e Apolo. Hermes estava associado
a Pollux e Apolo a Castor. É interessante porque esses dois deuses estão muito
relacionados ao sentido da constelação de Gêmeos mesmo. Hermes por ser o deus associado
ao planeta que rege este signo, e Apolo por ser tido já como o guardião deste
signo entre os romanos. Outra representação indica que os gêmeos seriam na
verdade Apollo (Castor) e Hércules (pollux). A associação de Hércules com
Pollux é interessante porque este era imortal e sua principal habilidade
consistia na força bruta e resistência, enquanto que Castor respondia pela
inteligência e habilidades artísticas.  
Outro mito grego que tem forte relação com o signo de gêmeos
é o mito de Hermafrodito, filho de Afrodite com Hermes. Hermafrodito seria um
garoto com traços perfeitamente masculinos e profundamente bonito, que em um
dado momento se uniu fisicamente a uma Ninfa assumindo o aspecto Andrógino,
mantendo a genitália masculina mas desenvolvendo seios. Essa Ninfa havia se apaixonado
por ele, mas fora rejeitada. Então num momento em que ele estava se banhando em
um lago, a Ninfa o agarra e o beija tocando em seu peito e invocando aos deuses
para que nunca sejam separados, e seu pedido é atendido. Assim Hermafrodito
adquire o aspecto andrógino e todos os que se banham naquele lago são
condenados a passar pela mesma transformação, vindo daí a explicação antiga
para os intersexos.
A constelação de Gêmeos é relativamente fácil de se
localizar e a época em que fica mais visível no céu é a partir do mês de
janeiro quando se ergue no horizonte logo após o por do sol. É composta por 20
estrelas, cuja longitude celeste hoje em dia cai inteiramente sobre o signo
Astrológico de Câncer. As principais estrelas são:
Propus – 03° Câncer
É o pé de Castor localizada mais ao norte na constelação.
Indica proeminência, grande capacidade de discernimento e habilidade pra se
expressar de diversas maneiras.
Alhena – 09° Câncer
É o pé de Pollux, localizada mais ao sul. Indica algumas
habilidades artísticas, mas ao mesmo tempo imprudência que pode levar a muitos
acidentes nos pés. Vale lembrar que Pollux também era visto como Hércules, que
na mitologia da constelação de Câncer aparece pisando o caranguejo enviado por
hera, que por sua vez o morde no calcanhar, numa tentativa de atrapalha-lo em
sua luta contra a Hidra de Lerna.
Wasat – 18° Câncer
Essa estrela se localiza em um ponto da constelação de
Gêmeos em que os braços dos dois gêmeos se unem. É dito que ela tem uma
natureza saturnina, estando conectada com gases venenosos. Foi passando próximo
dessa estrela que o planeta Plutão foi descoberto em 18 de fevereiro de 1930,
no auge da grande depressão. Ela seria um indicativo de preguiça e de
habilidades que existem mas são desperdiçadas.  
Castor – 20° Câncer
Essa é a estrela alfa da constelação de Gêmeos e está
localizada na região onde fica a cabeça de um dos gêmeos, Castor (ou
Apolo).  É uma estrela que prenuncia
muitas viagens, habilidades diversas e inteligência em múltiplas áreas. Tem
natureza de Mercúrio e Júpiter e pode significar o risco de ferimentos em um
dos braços.
Pollux – 23° Câncer
Essa é a estrela Beta da constelação de Gêmeos e está
localizada na região que corresponde a cabeça de Pollux (ou  Hermes, ou ainda Hércules). Sua natureza
profundamente marciana casa com a analogia feita com Hércules. Indica um
comportamento agressivo, força física, resistências, mãos habilidosas o que
seria indício de habilidade para o Boxe. Pode indica sucesso com questões
militares e facilidade em lutas marciais. A pessoa poderia estar muito sujeita
às provocações, se encolerizando com facilidade.

Numa visão geral, todas as estrelas da constelação de Gêmeos
indicariam uma pessoa que procura aproveitar mais a vida, sendo não muito
inclinadas ao labor. por outro lado, seriam habilidosas, dotadas de
inteligência e astúcia e múltiplos talentos. Podem ser descuidadas e por isso
acabariam se ferindo com facilidade 

O sismo de Lisboa de 1755 e sua relação com o momento atual

Pra entendermos o presente as
vezes um olhar para o passado (ou para o que há de registro deste passado)
acaba sendo a melhor forma de se compreender o que está acontecendo no agora. A
quadratura entre Urano em Áries e Plutão em Capricórnio já foi discutida aqui
neste espaço em outras ocasiões, mas agora quero voltar a esse assunto,
analisando também uma época em que  uma
quadratura do mesmo tipo que essa ocorreu. 
Primeiramente, como fazemos pra saber que tipo de quadratura é essa? Não
é tentando encontrar uma outra ocasião em que o aspecto tenha se dado nos
mesmos signos ou graus que vamos definir isso, não é exatamente isso que define
o tipo de quadratura.
Toda quadratura é um
desdobramento que vem de uma conjunção ou oposição anterior. O que antecedeu essa
quadratura de agora foi uma conjunção entre Urano e Plutão no segundo decanato
do signo de Virgem durante os anos 60 do século XX. Isso torna a quadratura de
hoje uma quadratura crescente onde Urano se afasta cada vez mais de Plutão indo
em direção ao distanciamento total que ocorre na oposição. Visualize de que
maneira isso acontece através deste resumo das efemérides heliocêntricas tomada
para o dia primeiro de janeiro de cada ano especificado:
Ano
Urano
Plutão
1965
12°
Virgem
14°
Virgem
1975
29°
Libra
07°
Libra
1985
14°
Sagitário
02°
Escorpião
1995
26°Capricórnio
28°Escorpião
2005
06°
Peixes
22°
Sagitário
2010
25°
Peixes
03°
Capricórnio
***2011
29°Peixes
05°Capricórnio
2012
03°Áries
07°
Capricórnio
2013
07°
Áries
09°
Capricórnio
*2014
11°Áries
11°
Capricórnio
2015
15°
Áries
13°
Capricórnio
2016
19°
Áries
15°Capricórnio
2017
23°Áries
17°Capricórnio
Por que a efeméride
heliocêntrica? Porque ela fornece uma visão panorâmica do aspecto sem a ilusão
de ótica causada pela percepção dos movimentos retrógrados dos planetas, já que
sabemos que na realidade os planetas não ficam retrógrados de verdade. Então
uma perspectiva heliocêntrica é mais limpa porque revela a média do aspecto, e
principalmente revela o momento mais absolutamente exato do aspecto como ele
está ocorrendo no espaço.
Heliocentricamente, a quadratura
atual ocorre entre os dias 23 e 25 de novembro de 2013 em torno do 11°03′ de
Áries/Capricórnio. Estamos portanto exatamente no centro do aspecto, no auge da
sua exatidão. Na perspectiva geocêntrica, tivemos um contato exato  no dia 01 de Novembro de 2013, e teremos um
outro em 21 de abril de 2014. 
Agora que localizamos com
exatidão a quadratura de hoje, vamos procurar pela última quadratura (deste
tipo) que ocorreu.  A última quadratura,
de fato, ocorreu com Urano em Áries e Plutão em Câncer durante os anos 30 do
século XX, que marcou o crash de 1929, a recessão econômica dos anos 30 e a
ascensão do fascismo no cenário global. Só que esta era uma quadratura
minguante. A última quadratura crescente ocorreu no século XIX, Mas comparada
com o aspecto atual foi um processo muito mais rápido, porque nesta ocasião
Plutão estava em Touro, muito lento. Durou apenas 3 anos, e que vem de uma
conjunção Urano/ Plutão que havia ocorrido no próprio signo de Touro (pra se ter
uma ideia da lentidão de plutão por este signo, onde ele fica por cerca de 33
anos).
A conjunção Urano/Plutão que
ocorreu no século XVIII ja foi muito mais semelhante a situação atual, primeiro
por ter ocorrido num setor do zodíaco muito próximo do da última conjunção.
Vejamos como se desenrolou o trânsito desses planetas entre a conjunção e
finalmente até a quadratura crescente que pretendemos observar:
Ano
Urano
Plutão
1710
24°Leão
27°Leão
1720
11°Libra
17°Virgem
1730
27°Escorpião
10°Libra
1740
10°Capricórnio
06°Escorpião
1750
20°Aquário
02°Sagitário
1752
28°Aquário
06°Sagitário
1753
02°Peixes
09°Sagitário
1754
06°Peixes
11°Sagitário
***1755
10°Peixes
13°Sagitário
1756
14°Peixes
16°Sagitário
*1757
18°Peixes
18°Sagitário
1758
22°Peixes
20°Sagitário
1759
26°Peixes
22°Sagitário
Analisando o histórico de
conjunções urano/Plutão, percebemos que há um padrão binário, ou seja, 2
conjunções de urano com plutão , dentro do período de uma revolução de Plutão
completa onde ocorrem 3 revoluções de Urano. Então há um ciclo entre Urano e
Plutão de fato. E há um padrão, ainda que não muito uniforme, nessas
conjunções. Veja a lista contendo algumas delas em sequência (lembrando que este é o grau da conjunção heliocentricamente):
  836  20°Peixes
  947  15°Câncer
1090 01°Áries
1201 28°Câncer
1344 10°Áries
1456 12°Leão
1597 20°Áries
1710 28°Leão
1851 29°Áries
1966 16°Virgem
2104 07°Touro
2221 07°Libra
2357 16°Touro
2478 01°Escorpião
Então a conjunção de 1456,
ciclicamente , corresponde as conjunções de 1710 e 1966, enquanto que as
conjunções de 1344, 1597e 1851 formam outro encadeamento. Sei que pode parece
um excesso de detalhes, mas estou colocando tudo isso pra mostrar o porquê de a
quadratura de agora entre Urano e Plutão ser tão parecida com a quadratura de
1755.
O que aconteceu em 1755? 
Em primeiro de Novembro de 1755
ocorreu um gigantesco terremoto na costa portuguesa do Oceano Atlântico. O
terremoto foi tão forte que chegou a ser sentido em diversos locais da Europa,
África e América. A cidade de Lisboa, uma das cidades mais antigas e bonitas da
Europa, capital de uma das  maiores
potências mundiais daquele momento, foi completamente destruída pelo tremor,
que fez desabar uma série de prédios e deflagrou uma série de incêndios. Muitos
correram da cidade em ruínas pra  costa,
com medo de novos tremores, quando então perceberam o recuo do mar e a formação
de um Tsunami de mais de 20 metros de altura que promoveu mais mortes e
destruições. Ao menos 10.000 pessoas pereceram no terremoto e no Tsunami.
Milhares ficaram feridos, quase todos desabrigados.
A ocorrência desse tremor absurdo
foi o que precipitou o surgimento da Sismologia, ciência que estuda e tenta
prever a ocorrência de terremotos. Diversos pensadores daquele momento ficaram
completamente horrorizados com o acontecimento e escreveram sobre o ocorrido.
Um deles foi o filósofo francês Voltaire, que escreveu as seguintes linhas:
“Ó infelizes mortais, ó terra deplorável.


Ó ajuntamento assustador de seres humanos! Eterna diversão de inúteis dores!

Filósofos alienados que proclamam: — tudo vai bem. Venham contemplar essas ruínas horrendas, esses destroços, esses farrapos, essas cinzas malditas, essas mulheres e essas crianças amontoadas sob mármores partidos, seus membros espalhados.

Cem mil desafortunados que a terra devora, que sangrando, dilacerados, e ainda palpitando, enterrados sob seus tetos, sucumbem sem socorro, no horror de tormentas findando seus dias!

Diante dos gritos de suas vozes moribundas, do horror de suas cinzas ainda crepitantes, vocês dirão: é a consequência de leis eternas que um Deus livre e bom resolveu aplicar?!

Vocês dirão, vendo esse amontoado de vítimas: Deus vingou-se, e a morte deles é o preço de seus crimes?!

Que crime, que falta cometeram essas crianças esmagadas e sangrentas sobre o seio materno? Lisboa, que não mais existe, teria mais vícios que Londres, que Paris, submersas em delícias?

Lisboa está destruída e dança-se em Paris.

Espectadores tranquilos, intrépidos espíritos, contemplando a desgraça desses moribundos, vocês procuram — em paz — as causas do desastre: Tudo vai bem — dizem vocês — e tudo é necessário.

Por acaso o universo, sem esse abismo infernal, sem submergir Lisboa, estava sendo pior?”



Para além do
contido nas palavras de Voltaire, da estupefação geral ,  o iluminismo, corrente de pensamento que
nascia nessa época ganhou uma força tremenda com este acontecimento. Portugal
era uma das cidades mais católicas da Europa, que se comparada com Londres ou
Paris, poderia ser chamada de uma “cidade virtuosa”. Mesmo assim ,
“Deus”, diziam os filósofos, escolheu a carola Lisboa pra ser
destruída. Não Paris, não Londres, não nenhum outro lugar. Mas logo Lisboa.   
Isso é muito
interessante quando lembramos que nessa época estava em curso a quadratura
entre urano e Plutão, Urano em Peixes e Plutão em Sagitário. Naquele ano de
1755 Um contato exato entre plutão e Urano já havia ocorrido no final de Maio,
aos 15° de Peixes/Sagitário. Em setembro, outro contato exato, dessa vez com
Plutão estacionário também ocorreu nos 13° de Peixes/Sagitário. Em Maio de 1756
mais um contato exato ocorria e ficava exata a conjunção entre Plutão e Éris em
Sagitário, aos 18°. Eis o mapa do evento:
Ele ocorreu no
dia Primeiro de Novembro de 1755 entre 9:30 e  9:40 da manhã em algum ponto da costa
Portuguesa; O mapa acima reflete o momento do evento na cidade de Lisboa. O que
mais chama atenção é não somente Plutão, mas a conjunção de Plutão e Éris em
Sagitário em quadratura com Urano em Peixes. Plutão desponta exatamente no
Ascendente do evento. É isso o que torna o evento tão simbólico. Foi
considerado por muitos como o evento divisor de águas que marca o Iluminismo e
a revolução Industrial como fenômenos culturais a penetrar em toda a Europa, além
do início de um processo de decadência em relação ao poder político da igreja
católica, bem como início da sua declinação como influência cultural. Era o universo
sagitariano passando por profundas transformações. A ciência estava à ponto de
assumir o lugar que antes pertencia a igreja como elemento regulador da
“verdade”;
Pra compreensão
do evento e de todas as suas consequências , sugiro que assistam a este documentário
da RTP que fala de como o evento foi vivido pela cidade e suas consequências
para a sociedade portuguesa e para o imaginário coletivo da época:
O que tem
haver o sismo de Lisboa com os tempos modernos? Bom, como disse no inicio,
estamos novamente sob uma quadratura do mesmo tipo da que ocorreu naquela
época. Estamos precisamente no mesmo ponto do ciclo entre Urano e Plutão
daquela época da década de 50 do século XVIII.  
Vivemos dois
eventos similares ao de Lisboa. Talvez na época do Sismo Lisboeta  tenham ocorrido outros que não foram tão
percebidos em outras partes do globo. Mas com a forma de organização do mundo
que temos hoje, praticamente nada que acontece no planeta passa despercebido.
Em 2010 tivemos um grande terremoto no Caribe e um outro no Japão. Nenhum dos
dois foi tão forte quanto o de Lisboa em termos de escala de intensidade. O do
Haiti, por sua vez, foi muito mais mortífero. O do Japão teve consequências em
outro nível: a de promover uma séria reflexão com relação aos usos da energia
nuclear, seus riscos e consequências. Agora que chegamos ao ápice da quadratura
entre Urano e Plutão, descobrimos que estamos a ponto de vivência uma inédito
acidente nuclear com potencial de promover alterações ecológicas em nosso
planeta que ainda não conseguimos conceber. Se um terremoto , ainda que fraco,
voltar a ocorrer naquela região, Os tambores improvisados que servem para
contem a água radioativa da usina podem todos colapsar e derramar toneladas de lixo
radioativo nas águas do pacífico. E isso porque ja existem estudos (mais
pessimistas) relacionados aos efeitos que a radiação já lançada sobre o
pacífico tem causado sobre a fauna do pacífico. Muitos olham com desdém pra
esse tipo de estudo, mas uma notícia que saiu essa semana chama a atenção de
forma alarmante: Uma grande massa de entulho do Tsunami de 2011 está prestes a
chegar agora na costa leste norte-americana. O entulho inclui o telhado de uma
casa! Se detritos sólidos estão conseguindo chegar do outro lado do mundo, o
que poderíamos dizer dos detritos radioativos que contaminam e se disseminam
nas águas como uma peste?    
O elemento em
comum não é exatamente a catástrofe. Não é necessariamente esse o ponto. Mas
sim a reflexão e a mudança de pensamento, mudança de paradigmas que ela causa
por ter ocorrido no momento em que ocorreu, no local em que ocorreu, com as consequências
que teve … 
Este terremoto
enterrou o Portugal Medieval, dando lugar a um Portugal novo. Antes de reconstruir
qualquer coisa, mandaram que se reerguessem as igrejas. Enquanto a Europa ia se
desvencilhando da influência católica, Portugal, diante desta tragédia, se
agarrou mais ainda a igreja. A tragédia provocou migração em massa para o
Brasil de Portugueses e Açorianos. Nesta ocasião é que se pode considerar, de
fato, o estabelecimento da língua portuguesa como língua oficial no Brasil.
Nessa época ocorria no Brasil o chamado “ciclo do ouro”, centrado nas
Minas Gerais. A tragédia de 1755 levou ao aumento da exploração de ouro, já que
Portugal se fragilizara diante das demais potências econômicas europeias. Isso
levou também a criação de um abismo entre Portugal e o Brasil, deflagrando uma
série de movimentos separatistas ao longo da segunda metade do século XVIII em
decorrência dos impostas que eram cobrados da Colônia, cada vez mais explorada.
O terremoto lançou Portugal em um período de decadência, já que o país
continuava fortemente agarrado a um modo muito conservador de conduzir sua
economia e relações internacionais, diante de mudanças que estavam fadadas a
transformar completamente o mundo num futuro próximo, com Inglaterra despontando
como grande potencia naval e industrial e a França como grande potência militar
durante o período napoleônico. A expansão Napoleônica levou a fuga da família
real de Portugal para o Brasil, o que teve como consequência o fortalecimento
da colônia, aumento dos ideias separatistas e consequentemente a independência
assim que os portugueses retornaram a Portugal com o fim do império
napoleônico.
Em termos
gerais, não é exagero dizer  a tragédia
de 1755 foi um grande motor propulsor para o fortalecimento dos pensamentos
iluministas em lugares como França, Inglaterra e Alemanha. Nesse sentido é
fácil perceber  em que nível se deu a transformação,
no nível jupteriano da filosofia, religião e organização do conhecimento. Nesta
mesma década os principais filósofos organizavam a primeira enciclopédia na
França que seria lançada na época do encontro exato em nível heliocêntrico de
Urano e Plutão.
A quadratura
atual ocorre com urano em Áries e Plutão em Capricórnio. Signos marcianos, que
falam em coisas como as lideranças políticas, os armamentos, guerras,  e a indústria de modo geral, já que marte
também é trabalho. No caso do terremoto de Fukushima e o acidente com a usina,
o que fica em cheque é a continuidade dos programas nucleares em diversos
países, o que de certa forma coloca em cheque os rumos do próprio capitalismo.
Uma série de países (potências) europeus tem na matriz nuclear a sua principal
fonte de energia. E o terremoto de Fukushima nos ameaça agora com uma tragédia
que pode ter consequências ainda desconhecidas. Que impacto teria a
contaminação generalizada das águas de todos os oceanos?  Isso leva a uma reflexão séria em relação aos
nossos hábitos e costumes. O consumismo alimenta a industria, é um ciclo
vicioso. Cada vez mais pessoas sentem mais e mais vontade de consumir. O modelo
que funcionou tão bem nos últimos anos precisa de uma revisão urgente.
É interessante
porque a conjunção de Urano e Plutão dos anos 60 (a última) ocorreu no signo de
Virgem. Uma dos principais papéis de Virgem é o de promover a conservação. Por
isso Virgem rege coisas como a medicina. Mas é a conservação também do mundo
que nos cerca, o cuidado, o perfeccionismo, o cuidado com a natureza e com o
próximo. De lá pra cá a medicina evoluiu de forma assustadora. Nos países
ricos, as pessoas vivem cada vez mais. isso significa que as pessoas continuam
a consumir por cada vez mais anos. E os recursos não são infinitos. E é necessário
energia pra mover todo esse sistema, cada vez mais energia.

Assim, apesar
dos eventos extremos que temos acompanhando, essa quadratura tem um efeito que
pode ser muito positivo no médio prazo. Trata-se da quadratura crescente que em
breve será substituída por um trígono crescente durante os anos 20. É a parada
necessária pra avaliação do que se tem feito. A oportunidade de um ajuste de
direção, pro reconhecimento dos erros e sua oportuna correção. Uma ideologia
que precisa, pouco a pouco ser abandonada. No século XVIII era a ideologia
mística das religiões e o posterior abraço à ciência. Aliás, foi o que nos
levou ao estado atual das coisas.  Agora
é a ideologia do culto ao consumo que precisa ser substituída por uma ideologia
mais humanizada e preocupada com a conservação deste planeta. Todo ser humano
deseja e precisa de bem estar e não faz sentido nos encaminharmos pra um
cenário onde teremos que nos matar uns aos outros pra conquistar o mínimo de
conforto num futuro não tão distante. Como todo bom conflito, a transformação
não ocorre de forma suava. E ainda estamos assistindo ao que acontece. Não
temos como ter uma visão clara e objetiva do que está se processando agora, da
mesma forma como não havia como se haver uma consciência clara sobre as
consequências do que ocorria em 1755. Agora pra nós que estamos distantes, fica
fácil de entender o que acontecia no passado e de como se processaram as consequências
daqueles eventos.  Pra nós que estamos
inseridos no tempo atual, tem certas coisas que só ficarão realmente claras
dentro de alguns anos, quando então poderemos avaliar os desdobramentos dos
acontecimentos atuais. Ainda tem potencial de acontecer muita coisa até o ano
de 2016.         

Eclipse solar em Escorpião no dia 3 de Novembro de 2013

No próximo domingo dia 3 de novembro de 2013 ocorre um dos eventos
celestes mais importantes de 2013, um eclipse solar no signo de Escorpião.
Eclipses são acontecimentos naturalmente delicados, mas este em particular é um
pouco mais forte e tem um impacto maior porque será a reafirmação de uma
energia em curso já a 1 ano, o trânsito de saturno por Escorpião. É porque este
eclipse ocorrerá em conjunção a saturno, precisamente no grau em que Saturno
estacionou em Escorpião pela primeira vez desde o ingresso de Saturno neste
signo (11° de Escorpião).
Este eclipse será como um desmaio,acho que não existe
alegoria melhor pra que possamos visualiza-lo. Aliás todo eclipse tem de certa
forma um pouco desse simbolismo, já que o eclipse é uma espécie de desmaio
solar, um blackout momentâneo do astro doador de vida, calor, energia e
potência. Um átimo de morte, um mergulho no coma seguido de um bruto despertar.
O eclipse tem o potencial portanto de estimular o despertar da consciência, ele
nos desperta para o óbvio, para o que 
estava o tempo inteiro diante do nosso nariz mas que só pode ser
percebido graças a um pequeno momento de cegueira. Quando perdemos uma coisa
que não valorizávamos anteriormente e só então percebemos o quanto aquela coisa
era valiosa, mas com a diferença de que neste caso a perda só ocorre no âmbito
dos sentidos, tem um caráter de delírio.   
Pessoas com planetas importantes na primeira metade de
Escorpião e na mesma região nos demais signos fixos (Aquário, Touro e Leão)
estão vivendo as situações típicas do trânsito saturnino. O trânsito de Saturno
costuma evocar sentimentos como o medo, a angustia e a necessidade de
definições, estrutura, finalizações, podas. É a super conscientização de tudo
aquilo que vai errado e necessita de reparos. Os nativos da primeira metade dos
fixos estão por tanto já a um ano vivendo este processo de redefinição do trânsito
de saturno. Na maioria dos casos, é como uma longa caminhada com muito peso nas
costas em direção a um local mais alto, mais plano, mais seguro onde a pessoa
vai simbolicamente restabelecer suas bases, o que significa também encarar o
vazio de começar alguma coisa do zero. Isso é válido sobretudo para aqueles que
são da primeira metade do eixo Touro/Escorpião. 
Já para o eixo Aquário/Leão a experiência saturnina em Escorpião tem muito
mais uma característica de colapso estrutural com necessidade de se rever
decisões tomadas a alguns anos trás,com uma necessidade urgente de se
ajustar  a rota, pra se evitar que o
tempo gasto até o momento seja desperdiçado.
 Em ambos os casos, a
questão é que agora com a aproximação da conjunção (por trânsito) de sol com
saturno em Escorpião, têm-se a sensação de que o processo penoso do trânsito
finalmente vai terminar. É justamente neste contexto que ocorre este eclipse do
dia 3.
As informações aqui portanto vão ter mais relevância para os
nativos dos signos fixos, sobretudo para esses que já estão sob os processos
saturninos. Este eclipse ocorre de forma a coincidir com o alívio representado
pelo fim do trânsito de saturno. Acaba sendo uma finalização dramática. É como
se, após toda a caminhada , todo o calvário do trânsito de saturno, justamente
agora se tivesse a sensação de que toda a caminhada foi em vão. É um sentimento
ilusório, na mesma proporção que o fenômeno do eclipse é um fenômeno ilusório: Sabemos
que a  ocultação do sol pela lua não
passa de uma ilusão de ótica, provocada pelo alinhamento de órbitas entre a
terra, sol e lua. E na mesma proporção, sabemos que o desmaio é uma simulação
de morte, não é uma morte real. O eclipse do dia 3 então pode se manifestar de
forma dramática (como um verdadeiro desmaio emocional), mas ele não tem um
caráter definitivo no sentido de simbolizar (em nível pessoal) qualquer tipo de
definição na vida, ou seja, não passará do desmaio. Como trânsito, trata-se de
uma experiência eventual, súbita. Uma erupção descontrolada de emoções, um
colapso no plano subjetivo, uma estafa, uma pane emocional. E só isso. Todo o
processo estrutural, do colapso a redefinição vivido no trânsito de saturno não
será perdido.
O epicentro deste eclipse será no grau 11° de Escorpião, então
se você tem planetas que vão de 01° a 21° de qualquer signo fixo, mas sobretudo
em Escorpião, pode esperar alguns acontecimentos intensos ja a partir de hoje
com a aproximação do eclipse e também ao longo da primeira metade da lunação
inaugurada no dia 3, ou seja, mais ou menos até o dia 17 de novembro. Ficará
claro que seja lá o que acontecer, o evento terá um caráter puramente de
desabafo emocional, onde sentimentos guardados, raivas, tristezas, frustrações
, etc ; vão clamar seu espaço de manifestação.  Saturno no seu trânsito acaba nos privando de
espontaneidade: o foco na estruturação impede o fluir das vontades e
manifestações subjetivas, tudo acaba sendo muito controlado neste sentido.
Então encare esse eclipse como o estourar de um balão que ao longo do tempo  foi se enchendo de sentimentos estagnados.
Assim, é desnecessário temer o eclipse. Imagino que a
maioria das pessoas hoje em dia ja tenha aprendido que isso é inútil. O eclipse
as vezes é difícil, é dramático, tem esse efeito que eu descrevi como o
“desmaio”, mas é algo circunstancial e passageiro. Um reflexo que se
manifesta da forma mais dramática na medida em que nossa insatisfação é
reprimida.  
Existe uma estrela fixa no grau em que vai ocorrer este eclipse:
Acrux, estrela alfa do Cruzeiro do sul, de natureza medianamente benéfica. Mas
trata-se de uma estrela muito distante da eclíptica, de modo que sua capacidade
de exercer influências é questionável. De acordo com Vivian e Robson, essa
estrela seria simbolicamente muito importante pro Brasil, porque de acordo com
ela Cabral teria afirmado na época da descoberta que o Brasil era a terra do
Cruzeiro do Sul. No nosso caso, o eclipse poderá ser visível de forma  parcial no nordeste.  
Em termos geopolíticos, os eclipses tem efeitos pontuais,
que tendem a se manifestar  sobretudo nos
locais por onde passa a sombra do eclipse, e também nas áreas onde ele é
visível. isso pode ser observado no mapa abaixo:    
Nesses locais podem se esperar eventos geológicos e
climáticos mais intensos,além de agitações populares que se manifestam na forma
de colapsos. Sendo o eclipse em Escorpião, um signo de Marte, a eclosão de
algum tipo de conflito armado sobretudo nos locais por onde passa a sombra
exata do eclipse, motivado por questões escorpianas (disputas por suprimentos
de importância econômica). Escorpião, por ser quadratura natural de Leão,
domicílio do sol, costuma representar ameaça para os “reis”, no caso
atual, líderes políticos que podem enfrentar sedições, tentativas de golpe ou
disputas internas em seus governos, ou escândalos que mancham suas imagens.
Chama atenção por exemplo o fato de que o eclipse será exato na hora do nascer
do sol na costa leste dos Estados Unidos, isto é, ele será angular naquele em
algumas regiões daquele país. Isso pode indicar que acontecimentos importantes
na esfera política, envolvendo principalmente as figuras centrais do poder  daquele país podem ser esperados.