A GRANDE CRUZ CARDINAL DE 2010

Está se formando no céu uma configuração muito rara e de intensidade incomum entre vários planetas lentos. No último circuito da CNA muito se falou a respeito deste assunto. Afinal de contas, o que essa configuração representa? Ela nos afeta de alguma forma? Afeta a coletividade? Que “efeitos” ela tem?  
A Primeira coisa que chama a atenção nesta configuração é o fato de ela ocorrer em signos Cardinais, exatamente nos primeiros graus dos signos cardinais.
A NATUREZA DOS SIGNOS CARDINAIS


Estes são os signos associados aos inícios. Quando o Sol passa por eles, esse movimento marca a mudança das estações. Por exemplo, quando o sol entra em Áries, isso marca o início do Outono para os habitantes do hemisfério sul, e o início da Primavera para os habitantes do hemisfério norte.
Se diz que a qualidade Cardinal é a qualidade da liderança. Isso ocorre porque eles dão uma nova direção as coisas, fato que é bem observável na dinâmica das estações. Pra isso é interessante levar em consideração a dinâmica das três qualidades:
Quando o Sol ingressa num signo Cardinal, por exemplo, Áries, aqui no hemisfério Sul, ele coloca um fim ao calor excessivo do verão. Não será mais tão quente, nem será frio o suficiente para que se reclame, estaremos num momento de temperatura média. O Sol, ao entrar em Touro, signo fixo, estabiliza a tendência iniciada em Áries. Quando o Sol ingressa em Gêmeos, teremos dias muito frios, que lembrarão o inverno, alternados com dias amenos. Haverá então certa indefinição, característica fundamental dos signos Mutáveis que trazem consigo um pouco do fixo e um pouco do Cardinal. Isso até o momento em que o Sol entra em Câncer (cardinal), dando início ao Inverno, quando então o frio se estabelece de vez. O processo de mudança definitiva, nesse esquema das estações, é marcado pela Cardinalidade. 
Na verdade, a mudança é característica principal dos signos Cardinais. Os Mutáveis não mudam por eles mesmo, eles  representam na verdade uma zona de indefinição entre o que era marcado ferrenhamente pelo signo fixo anterior e o que será redefinido pelo signo Cardinal que o sucede. Transição é a palavra chave do Mutável, mas o novo, a mudança em si, é cardinal.
Tradicionalmente os mutáveis são chamados de Comuns, já que eles representam a média entre a inação fixa e a ação cardinal. Quando se fala em Tempo, em geral o Cardinal representa o que é rápido e efêmero, o Fixo o que é demorado, e o mutável o que é médio, ou normal (comum).   
A CONFIGURAÇÃO EM SI
A oposição Saturno-Urano que já se desenha a alguns anos, e a quadratura Saturno-Plutão, além da quadratura entre urano e Plutão que aproximam lentamente se unem todas numa mesma configuração. 
Somado a isso, temos simultaneamente a culminância de um ciclo entre Júpiter e saturno, que estão em oposição. Isso sem contar os planetas rápidos que passarão pelos Cardinais enquanto durar esta cruz. Isso inclui Marte, Vênus e Lua como na figura abaixo:
Bom, já falei de vários destes aspectos em separados. É importante entender todos eles em separado porque essa cruz na verdade não se caracteriza como algo cíclico, não existe um padrão pra este tipo de encontro. O que acontece neste ano de 2010 é a convergência de vários pontos importantes de ciclos distintos. Temos o ciclo Urano/Plutão, o ciclo Saturno/Plutão, o ciclo Saturno/Júpiter, Saturno/Urano e o ciclo de Júpiter com todos os outros lentos. Veja abaixo:

Urano em Áries

Ciclo júpiter Saturno

Oposição entre júpiter e Saturno

Oposição Saturno Urano

Este tipo de encontro planetário é comum em momentos de transição, quando vários planetas lentos mudam de signo e entram todos juntos nos signos da sequência. Os anos 2000 foram marcados pela presença de Urano em Peixes, Netuno em Aquário e Plutão em Capricórnio, com o enfraquecimento de Saturno que transitou durante este período pelos seus 2 detrimentos, Câncer e Leão.
De 2008 pra cá entramos em um momento de transição simultânea, marcado por várias conjunções e oposições, que culmina agora em 2010. Em 2012 teremos definido um novo momento, com Urano em Áries, Netuno em Peixes e Plutão em Capricórnio.
OS MOMENTOS PRINCIPAIS DESSA FASE DE TRANSIÇÃO
Em dezembro de 2007 tivemos a conclusão da fase de alegria, crescimento e expansão que marcaram os anos 2000, com uma conjunção entre júpiter e Plutão aos 28° de Sagitário.
Logo no início de 2008 tivemos o ingresso de Plutão em Capricórnio, retornando para Sagitário logo em Junho de 2008. Neste meio tempo, Uma oposição entre Marte e plutão se desenhou, com marte passando pelos signos de Gêmeos e Câncer. Com o Sol em Áries, Marte em Câncer e Plutão em Capricórnio, veio a tona no Brasil o caso Isabela Nardoni (clique no link para saber mais). Capricórnio é um signo associado a noção de paternidade e a passagem de Plutão por ali não deixa de representar uma crise que afeta a estrutura das famílias, o pilar em que se assenta toda a sociedade. Veremos que nesta configuração de 2010 o signo mais afligido será justamente Câncer.
Entre Outubro e Novembro de 2008 fica exata pela primeira vez a oposição entre Saturno e Urano. Consoante a isso, tivemos o início da crise no mercado financeiro (veja no link).
Plutão retorna definitivamente para Capricórnio no final de novembro. Imediatamente antes disso, tivemos as eleições presidenciais dos Estados Unidos com a eleição do primeiro presidente negro da história daquele país, Barack Obama (veja mais no link).
Em 2009 ocorre novamente oposição entre Saturno e Urano. Precisamente no mês de março tem início aquilo que está sendo considerada a pandemia de gripe suína, primeiramente no México (veja mais no link). A Pandemia de gripe espanhola também ocorreu durante uma oposição entre Saturno e Urano praticamente nos mesmos signos em que esta oposição ocorre agora. Da primeira vez, saturno estava entre Leão e Virgem, e Urano entre Aquário e Peixes. Agora Saturno está entre Virgem e Libra, e Saturno entre Peixes e Áries. Essa oposição volta a ocorrer em setembro de 2009, dessa vez com a “Pandemia” afetando o hemisfério Sul.   
Ao longo do ano de 2009, sobretudo entre junho e dezembro, ficou valendo uma conjunção entre Júpiter e Netuno no signo de Aquário. Isso marca o início do governo de Obama, cheio de expectativas de mudança e de resolução ou impedimento de uma crise que parece ficar cada vez mais evidente. De certa forma, em 2009 os mercados se acalmaram, o que não significa que a crise tenha se concluído. O Twitter se popularisou de forma estrondosa ao longo deste ano, transformando-se num porta voz inédito daquilo que poderíamos chamar de ‘pensamento coletivo’.   
Em novembro de 2009, Saturno ingressa em Libra, iniciando a quadratura com Plutão em Capricórnio. No início de 2010, com a quadratura exata, ocorreram terremotos especialmente trágicos, sobretudo no Haiti e no Chile, deixando milhares de mortos (veja mais)
Agora, a cada dia que passa estamos com a configuração completa mais exata. Especialmente entre os meses de Julho a Agosto teremos a convergência dos vários ciclos que foram citados, mas a coisa não para por aí, por que o ciclo de quadratura entre urano e Plutão está apenas começando. Em 2014 teremos uma retrogradação de Marte em libra que participará de uma outra cruz cardinal envolvendo ainda Júpiter em Câncer, urano em Áries e Plutão em Capricórnio. Só veremos o cenário se estabilizando mesmo a partir de 2016, com Saturno se aproximando de um trígono com urano. 
O QUE TEREMOS DE DIFERENTE AGORA

Entramos agora em uma tendência de maior restrição, e isso é apontado por diversos fatores, especialmente pelo ciclo minguante que se inicia entre Júpiter e Saturno.O otimismo, a sensação de absoluta liberdade, de fartura e descontrole que marcaram o período de Netuno em Aquário com Plutão em Sagitário, cedem espaço agora a um momento marcado pelo medo, pela tomada de consciência das restrições, pelo contato forçado com a realidade.  
Precisamos agora fazer um esforço, olhar ao nosso redor e reconhecer as limitações para melhor lidarmos com ela. O período que se inicia agora não tende a ser fácil pra ninguém, e coisas sérias tendem a ocorrer, isso se essa tensão toda realmente importar. A última vez em que tivemos uma configuração assim foi nas vésperas da segunda guerra mundial, na época entre o crash de 1929 e a ascenção do fascismo (1933). Não devemos esperar os mesmos desdobramentos, mas devemos substituir agora, para o nosso próprio bem, a conduta de ingênua confiança e otimismo por uma conduta no mínimo mais realista. 
Vivemos sempre num eterno movimento de contração e expansão, tal como as batidas de um coração, e chegamos agora, após um momento de franca expansão, numa fase de contração e temos de lidar também com ela. 

Marte em Virgem

Pode soar estranho para quem é acostumado somente com a Astrologia moderna, mas a entrada de Marte em Virgem é na verdade um alívio. Ainda que marte estivesse em seus próprios termos nos últimos graus de leão, neste signo de fogo Marte é considerado em uma má posição justamente por ter sua natureza aumentada; Marte rege as triplicidades da Água e da Terra não por afinidade, mas por ser um maléfico e como tal, é sempre melhor que sua natureza quente e seca seja refreada a fim de ser melhor conduzida, para receber um direcionamento útil.
Marte permanece neste signo desde a madrugada de ontem, 7 de junho e dele só vai sair no dia 29 de Julho. Vai se aplicar em conjunção com Saturno durante toda sua estadia em virgem, mas não chegará a completar o aspecto, uma vez que saturno muda de signo antes que Marte o atinja.
A diligência, a industriosidade e o empenho são as principais características de Marte em virgem. Aqui as ações são coordenadas, feitas com esmero e perfeccionismo. Não há desperdício de energias, a impulsividade é inibida, todos os movimentos são controlados e direcionados rumo a perfeição. O lado negativo de Marte em Virgem é que sua secura é aumentada. Isto é associável ao aspecto crítico, ligado a punição e ao controle excessivo que se verifica em virgem.
Os termos (egípcios) de Marte localizam-se entre os 21°00’ e os 27°59’ no signo de Virgem, onde estão Marte encontra-se ainda mais fortalecido (leia-se controlado, com sua energia sendo direcionada para o trabalho e para coisas úteis ao invés de desperdiçada em conflitos). Marte passa por estes graus entre 14 e 26 de julho. 
No dia 11 de Junho Marte em 02° Virgem e mercúrio em 02° Gêmeos formarão uma quadratura que pega em cheio todos os que tem planetas no início dos signos mutáveis, indicando um momento de stress, imprevistos (a tensão entre mercúrio e Marte tem uma natureza que lembra muito a dos aspectos tensos de Urano) e agressividade que tende a ser expressa verbalmente. Debates acalorados estarão em pauta.
Já no dia 15 de junho é a vez de um trígono entre Marte em 04° Virgem e Plutão em 04° Capricórnio, simbolizando a energia intensa que é canalizada para a transformação e a purificação. Representa um trabalho extremamente pesado, mas que tem resultados garantidos e duráveis.
Dia 1° de julho Mercúrio em 13° Câncer e Marte em 13° Virgem fazem as pazes através de um sextil, apesar de mercúrio encontrar-se justamente no signo que representa a queda de Marte. O momento é marcado pelo trabalho mental diligente, mas essa doação de debilidade de mercúrio para marte simboliza que as coisas tendem a ser feitas da forma mais difícil possível, ainda que os resultados sejam garantidos, independente do nível de dificuldade do caminho escolhido.
No dia 11 de Julho fica exato o Sextil entre Sol em 19° Câncer e Marte em 19° Virgem. Marte estará na verdade em Sextil quase exato a um eclipse solar. Neste caso marte também recebe debilidade do sol canceriano que se encontra na sua queda, não retransmitindo nada para o sol. É como duas forças que se unem em um objetivo comum, mas fadados a não obter nenhum resultado útil. Ao menos não estão se agredindo mutuamente, o que poderia ser bem pior. Este é um eclipse preocupante, já que é conjunto ao Nodo lunar sul, e ainda concede queda para um planeta que é naturalmente maléfico (Marte). Quem for tocado por este sextil através de aspectos harmônicos não deve esperar muita coisa, porque ele não promete nada. Para quem sofrer tensão a partir do grau do eclipse, é bom ficar atento a esta influência depressora que tende a dar início a lentos processos que não podem ser evitados e que tendem a dar resultados desvantajosos ao longo dos próximos 6 meses, mas principalmente durante o mês de Outubro.    
Antes que me perguntem, esse vídeo esta aqui porque eu considero que ele transmite um pouco do Marte em Virgem way of life. As imagens são da abertura das olimpíadas de 1936 na Alemanha, a banda é alemã (Rammstein). 

Urano em Áries

E Urano entrou em Áries, finalizando um ciclo ao redor do zodíaco que durou  84 anos , dando início a uma nova jornada. Desde os anos 80 não vemos urano em um signo de fogo, caracterizando o momento da sua passagem por Áries com a marca do entusiasmo, otimismo, coragem e agressividade que são típicas deste elemento. Ao contrário do que normalmente se imagina, Áries é um signo muito mais solar do que marciano. Pra início de converso, etmologicamente Áries (o signo) e Ares (Deus da guerra) são palavras que não têm nada em comum. A origem de Ares é grega e não significa nada além do nome do Deus da guerra, já a origem de áries é latina, significando simplesmente carneiro ou cordeiro em latim. Pouca gente sabe disso, a maioria pensa que Áries vem de Ares quando isso é um equívoco que acaba por corroborar para uma certa deformação que existe hoje em dia sobre os significados mais básicos deste signo, como a tendência a se pensar áries como um signo violento, brigão e impulsivo quando ele simboliza coisas muito mais elevadas e que vão muito além desse aspecto simplório e que é erradamente enaltecido.
Todos aprendemos no nosso livrinho de Astrologia que Áries é regido por Marte, mas o que ocorre hoje em dia é que se esquece de mencionar os regentes das triplicidades e de muitas outras dignidades menores. O fato é que Áries exalta o Sol, que também é regente diurno da sua triplicidade. O sol sempre tem mais dignidades do que marte no signo de Áries, exceto entre os graus 20° e 24°, onde estão localizados os termos de Marte, onde então ocorre um empate entre Marte e Sol.
Por esse motivo Áries é considerado um signo digno, representando honra, coragem, liderança, pioneirismo, egocentrismo e uma série de outras características centralizadoras muito mais solares do que marcianas.
Marte em Áries significa impulsividade, mas também industriosidade e uma ação direta, violenta e extremamente agressiva, características inerentes ao fato de Áries, assim como qualquer outro signo de fogo ou ar aumentarem a violência marciana, não tendo nada de intrínsecos ao significado essencial de Áries. Marte em Libra é tão ou mais violento e perigoso do que Marte em Áries, diferindo deste pelo fato de agir (quando representando por exemplo, a personalidade de alguém) sem ter certeza do fato de se deveria ou não agir, o que cria uma personalidade que se frustra facilmente ou se arrepende por quase todas as suas ações. Com marte em Áries não há retorno no meio do caminho, porque o princípio solar da honra e da dignidade prevalece.
A passagem de urano por Áries marcará uma época tensa, não porque a tensão seja algo típico do signo de Áries, mas por conta das configurações que Urano formará com outros planetas ao transitar este signo. Em sua passagem pelo primeiro decanato de Áries, Urano terá que conviver com a passagem de Saturno pelo signo de Libra. Essa é uma configuração que marca alguma frustração nas iniciativas Arianas. É o conflito entre o antigo e o novo, neste caso o conflito entre novos impulsos individualistas da coletividade que entram em choque com princípios antigos e que fedem à mofo relacionados a moldes, regras e estruturas antigas que permeiam os relacionamentos pessoais e sociais. 
Além disso, durante a passagem de urano pelo primeiro e segundo decanatos de Áries ele terá orbe para formar quadratura com Plutão que transita o signo de Capricórnio, signo tão ou mais bélico e industrioso do que Áries, já que é a exaltação de Marte. Essa tensão extrema sugere conflitos entre diferentes tipos de autoridades. As hierarquias ao longo deste período perdem a razão de ser, mas insistem em se impor, entrando em choque com os novos impulsos simbolizados por Urano em Áries, que são pontuais mas que em grande quantidade representam uma ameaça as antigas estruturas representas por Capricórnio, que sofrem uma profunda e irreversível transformação. Independente do fato dessas hierarquias estarem fadadas a se dissolver, os representantes delas tendem a se levantar contra os ditos impulsos arianos que representam o novo com todo o seu esplendor que ameaça e causa temor porque é a garantia de que o antigo não é mais necessário, o que pode simbolizar a nível global um cenário bélico, muito parecido com o que deu início a segunda guerra mundial.
Devemos pensar, porém, esta quadratura entre Urano e Plutão não como algo pontual. Na verdade ela não terá nada a ver com a quadratura anterior ocorrido nos anos 30, ainda que assim como aquela, ainda represente um cenário de crise e violência. Os motivos deste cenário crítico e atemorizante serão totalmente diferentes agora. Devemos lembrar que um novo ciclo entre Urano e Plutão se iniciou durante os anos 60, com a conjunção entre Urano e Plutão no signo de virgem, quando então tivemos o surgimento da cultura de massas da forma como ela é nos dias de hoje, com a popularização da música e da televisão. É também neste período que surge a internet, coisa que veio a se popularizar com o sextil crescente entre Urano em Aquário e Plutão em Sagitário do ano de 1995. A quadratura de agora é crescente, portanto é positiva, mas ainda simboliza um conflito. Fica evidente que a crise que viveremos agora será tão somente um desdobramente de coisas que já foram iniciadas. Pode ser na verdade que vivenciemos a primeira crise envolvendo a internet desde a sua criação, mas a tendência é que ajam também conflitos. Barris de pólvora prestes a explodir no mundo não faltam, e atravessaremos a partir de agora um período extremamente delicado para o cenário político mundial. O ciclo se harmoniza novamente a partir dos anos 20, com o trígono entre Urano em Gêmeos e Plutão em Aquário, simbolizando o máximo desenvolvimento das coisas iniciadas lá em 1960 e que eu já mencionei. A crise de agora na verdade será um impulso para uma onda de crescimento ainda maior do que aquela que vimos com o sextil entre Urano e Plutão. Muito diferente do que ocorreu nos anos 30 e 40, quando a quadratura era minguante e levava para um sextil minguante, que representavam a finalização, morte e ruína de coisas outras iniciadas no século XIX quando ocorreu uma conjunção entre urano e plutão entre os signos de Áries e Touro. 
As coisas aliviam somente quando Urano chegar ao terceiro decanato de Áries, quando já estará mais distante da quadratura com plutão e formará um trígono com Saturno em Sagitário. Isso ocorre somente a partir de 2016. Então o momento entre 2010 e 2015 tende a ser todo marcado por um insistente clima de crise e tensão.
A nível pessoal o momento tende a ser positivo especialmente para os que são ricos em planetas nos signos de Aquário (que vivenciarão sextil crescente) e principalmente sagitário (que vivenciarão trígono crescente). Será um excepcional momento também para quem apresenta o signo de leão forte no seu mapa de nascimento, pois estarão vivenciando um trígono (porém minguante, que precederá uma quadratura). Para os que têm Gêmeos forte o momento também tende a ser bom, mas não tanto quanto foi a passagem de urano em Aquário. Na verdade os signos de aquário e leão, principalmente Leão, são os que se beneficiam mais, já que teremos netuno em peixes em quadratura com sagitário e gêmeos. Pra todos os signos mencionados, no geral, o momento será de mudanças criativas e libertação de situações tensas e escravizadoras (Gêmeos e sagitário, que sofriam quadratura de urano) e o divórcio com as ilusões, auto-enganos e com o derrotismo (leão e aquário, que sofriam com a oposição e conjunção de netuno respectivamente)
Para Áries o momento é de mudanças estruturais muito fortes, e fica difícil dizer se o momento será “bom” ou “ruim”. Depende da capacidade individual de cada um de lidar com mudanças e principalmente com o inesperado. Para quem precisa de mudanças o momento representará então um alívio. Para quem é apegado a algum tipo de status ou a segurança, o momento pode ser péssimo. Para quem deseja realizar mudanças o caminho está livre, mas mesmo assim haverá resistência e também a necessidade de que o indivíduo esteja totalmente divorciado do seu passado. 
Para Libra o momento tende a ser de provações. Terá de lidar com o fato de que as soluções que pareciam tão geniais a pouco tempo atrás agora se mostrarão ineficientes, e será difícil lidar com o novo, com o individuo achando muito mais fácil se apegar ferrenhamente a estruturas muito velhas, ficando mais vulnerável ao que é inesperado. A tendência é que as ações matizadas pela simbologia de Libra sejam consideradas anormais ao longo deste momento e causem choque. Num momento em que a “onda” será a do individualismo, “pensar no outro” ou deliberar demais antes de uma decisão serão atitudes que causarão escândalo e que serão inclusive motivos risos. Quem tem o signo de Libra forte no seu mapa terá de ser forte para lidar com o forte impulso externo que exigirá uma mudança radical de posturas e uma anulação da sua natureza espontânea. Será importante resistir e esse impulso coletivo que surge para obrigar o indivíduo a mudar, sobretudo porque este momento é passageiro e logo urano se deslocará para um signo totalmente diferente. Não é o momento de abandonar totalmente sua estrutura de vida, mas será uma fase de testes e aqui mais do que nunca o indivíduo deverá exercitar sua capacidade de não se importar com o julgamento alheio.    
Para Capricórnio será necessário firmeza e jogo de cintura para lidar com a forte tendência a ser considerado como o “vilão” ou estraga-prazer que quer impedir todo mundo de curtir as novidades uranianas do momento. Fato é que tudo o que for representado por urano em Áries tende a causar repulsa e irritação para quem tem capricórnio forte em seu mapa de nascimento. Especialmente nos relacionamentos íntimos a tendência é que o indivíduo seja acusado de ser um “monstro” insensível, o que não é real. Isso tudo é acentuado pela presença de Plutão em Capricórnio, que deixa os capricornianos mais intensos e profundos em todas as suas ações e mais teimosos do que normalmente são. Para lidar com isso será necessário uma boa dose de paciência. A quadratura de Áries não representa uma ameaça real para capricórnio, mas sua atitude natural tende a originar muita resistência por parte da maioria. Será imprescindível exercitar sua capacidade de ser flexível, para seu próprio bem.
Para Câncer o momento pode ser difícil com mudanças vindas de todas as direções. Mesmo assim as mudanças de agora estarão preparando terreno para um momento muito mais positivo no futuro, já que a próxima conjunção entre urano e saturno ocorrerá em Câncer. De modo geral, a vida estará cobrando de você tudo aquilo que você menos tem. Mas entenda o momento como uma oportunidade de incutir em você características adicionais com o potencial de lhe fortalecer para o futuro. Suas carências e falhas tendem a ser enaltecidas, o que certamente impulsionará você a se corrigir e a mudar muito positivamente. Por outro lado, não se iluda com a idéia de que você precisa necessariamente se transformar em algo que você não é. Implemente mudanças mas esteja atento para não corromper sua essência. Profissionalmente, especialmente para quem tem ascendente em câncer o momento tende a ser muito positivo marcado por uma forte tendência de mudanças e reorientações pra melhor.
Para Touro e Escorpião o momento representado por urano em Áries é neutro, mas será positivo por conta de outros posicionamentos, especialmente para escorpião. Para peixes e Virgem que viveram um momento muito intenso nos últimos 7 anos, a tendência é que as coisas se acalmem, ainda que netuno em Peixes continue a promover mudanças para este eixo, porém estas serão muito mais sutis.
Importante frisar que não é somente pelo fato de você ter o Sol num dos signos acima que as coisas ditas se aplicarão totalmente a você. É importante estudar seu próprio mapa de nascimento e ver onde você tem mais planetas e analisar mais acertadamente quais as configurações e em que momento elas lhe afetarão.

Sol em Libra com Ascendente em Leão

O Leão no Ascendente vai sempre representar alguém desejoso de brilhar, aparecer e ser considerado pelos demais. Mas quando o Sol se encontra em Libra, nem sempre o que se vê é a aparência tipicamente leonina. Em primeiro lugar porque a pessoa não tem certeza se deseja realmente brilhar. Em segundo lugar porque nem sempre essa pessoa vai brilhar da forma muito usual. O funcionamento do Sol em Libra e em Aquário é muito parecido. Nesses dois signos não existe a menor intenção de se ser uma força centralizadora. Mas em Libra, a queda do Sol, muitas vezes o desejo maior é o de projetar as forças ativas e centralizadoras nos outros, de forma que tanto a vitória quanto a derrota (e principalmente esta) sejam responsabilidade do outro. Essa combinação de Leão no Ascendente e Sol em libra pode gerar então alguém que oscila entre a atitude leonina de se assumir o cetro da responsabilidade e a atitude libriana de se buscar a quem responsabilizar tanto pelas suas vitórias quanto pelas suas derrotas. Isso vem acompanhado também de severas oscilações nos níveis de confiança em si mesmo. A problemática maior gira em torno do dilema: Quando a responsabilidade é assumida, a pessoa se sente burra e se arrepende de não ter buscado alguém para dividir o bônus e o ônus da sua jornada. Quando a responsabilidade é dividida ou projetada, a pessoa se sente fraca e impotente porque o desejo leonino por brilhar é visceral e não há forma racional de se convencer o instinto de que na verdade é mais seguro ou sensato conter a própria sede de brilho. De modo geral a pessoa tende a ser inteligente, cordial, um tanto extravagante e cerimoniosa nos seus modos, sedutora, apaixonada, em suma, sempre sedenta pelo outro. A necessidade de se relacionar gera um comportamento sedutor, dramático e vaidoso. O temperamento é alegre mas pode ser tendente a ira e ao descontrole especialmente nos momentos em que a pessoa se obriga a ofuscar a si mesma, ou nos momentos em que precisa lidar com algum tipo de frustração. Tem sede de cultura e gosta de se rodear de pessoas inteligentes e que sejam desprovidas de preconceitos. O sol no terceiro signo em relação ao ascendente sempre produz personalidades intelectuais. Tende a haver muita criatividade, que aliada ao senso estético tende a gerar uma pessoa voltada para as artes, especialmente as dramáticas e literárias.  Lidam facilmente com o público e são ótimos administradores, sendo democráticos e políticos.

Aleister Crowley

Aleister Crowley (12 de Outubro de 1875 – 1 de Dezembro de 1947), nascido Edward Alexander Crowley, foi um influente ocultista britânico, responsável pela fundação da doutrina Thelema. Ele foi um membro da Ordem Hermética da Aurora Dourada, e também o co-fundador da A∴A∴ e eventualmente um líder da Ordo Templi Orientis (O.T.O.). Ele é conhecido hoje em dia por seus escritos sobre magia, especialmente o Livro da Lei, o texto sagrado e central da Thelema, apesar de ter escrito sobre outros assuntos esotéricos como magia cerimonial e a cabala.
Crowley também era um hedonista, bissexual, usuário recreacional de drogas, e crítico social. Em muita de suas façanhas ele “iria contra os valores morais e religiosos do seu tempo”, defendendo o libertarianismo baseado em sua regra de “Faz o que tu queres”. Por causa disso, ele ganhou larga notoriedade em sua vida, e foi declarado pela imprensa do tempo como “O homem mais perverso do mundo.” Além de suas atividades esotéricas, ele era também um premiado jogador de xadrez, um alpinista, poeta, dramaturgo e foi alegado que ele também era um espião para o governo britânico.
Em 2002, uma enquete da BBC descrevia Crowley como sendo o septuagésimo terceiro maior britânico de todos os tempos, por influenciar e ser referenciado por numerosos escritores, músicos e cineastas, incluindo Jimmy Page, Alan Moore, Ozzy Osbourne, Marilyn Manson, e Kenneth Anger. Ele também foi citado como influência principal de muitos grupos esotéricos e de individuais na posterioridade, incluindo figuras como Kenneth Grant, Gerald Gardner e Amado Crowley.

Sting

Gordon Matthew Thomas Sumner, CBE (Newcastle, 2 de outubro de 1951), mais conhecido pelo seu nome artístico, Sting, é um músico, cantor e ator inglês. Natural de Wallsend, em North Tyneside, antes de sua carreira solo foi o principal compositor, cantor e baixista da banda de rock The Police. Vendeu ao longo de sua carreira mais de 100 milhões de discos, e recebeu dezesseis Prêmios Grammy por seu trabalho, incluindo o seu primeiro, por “melhor performance instrumental de rock”, em 1981, e recebeu uma indicação ao Oscar de melhor canção original.
Sting, que já era conhecido no Brasil como baixista do grupo The Police, tornou-se ainda mais famoso após a turnê do disco Nothing Like the Sun, realizada no país em 1987. Após um memorável show realizado em novembro daquele ano no Estádio do Maracanã, iniciou viagens pela Amazônia, onde conheceu o cacique Raoni; após essa amizade, Sting passou a defender a causa ecológica.

Luciano Pavarotti

Luciano Pavarotti (Módena, 12 de outubro de 1935 — Módena, 6 de setembro de 2007) foi um cantor (tenor lírico) italiano, grande intérprete das obras de Donizetti, Puccini e Verdi, dentre outros em seu grande repertório. É reconhecido como o tenor que popularizou mundialmente a ópera.
Pavarotti participou, com os tenores espanhóis José Carreras e Plácido Domingo,dos famosos concertos “Os três tenores”, e gravou duetos com Mariah Carey, James Brown, Frank Sinatra, Zucchero, Ricky Martin, Laura Pausini, Spice Girls, Bryan Adams, Andrea Bocelli, Queen, Céline Dion, Eros Ramazzotti, Jon Bon Jovi, The Corrs, U2, Roberto Carlos, entre outros, especialmente para causas beneficentes, nas quais se envolveu bastante. É considerado um dos mais importantes tenores de todos os tempos. Cantou nos mais importantes teatros mundiais, como o Teatro alla Scala (Milão), a Royal Opera House (Covent Garden, Londres), o Metropolitan Opera House (Nova Iorque), o grande Olympia (Paris), dentre outros.

Christopher Reeve

Christopher D’Olier Reeve (Nova Iorque, 25 de setembro de 1952 — Mount Kisco, 10 de outubro de 2004) foi um ator e realizador de cinema estadunidense. Seu papel mais famoso foi como o Super-Homem, numa série de quatro filmes. Após sofrer um acidente, passou a liderar uma campanha pela legalização de pesquisas com células-tronco. Faleceu em virtude de sua grave condição médica.