Aquário


Aquário reage ao estágio capricorniano negando tudo aquilo que foi erigido ao longo de todo um ciclo. Capricórnio é a representação do máximo a que determinada coisa pode ser desenvolvida, é o auge, o ápice e também um estágio que indica um progressivo processo de senilidade. A idéia surgida em Áries, desenvolvida em leão e expandida em sagitário chega ao estágio capricorniano com o epíteto de ultrapassada. Sem mais o que progredir, uma vez que todas as possibilidades foram gastas em sagitário, só resta à opção de manter a coisa de pé durante o máximo de tempo que for possível. Porém essa manutenção torna-se opressiva, impede a evolução, retarda o progresso. Aquário surge para destruir tudo o que é velho, abrindo caminho para o novo. Aquário é o signo que amplia a liberdade ensaiada em sagitário, mas aquário representaria algo além, representaria uma absoluta independência e uma quebra com qualquer obrigação para o que quer que seja antigo. A palavra de ordem agora é a renovação.

Aquário é um rompante violento e imprevisível, associável a intensidade de um tornado e a instabilidade de um raio. Nesse estágio a ação é completamente fria e moldada em um idealismo perfeccionista, que não concede espaço para o aspecto humano, passível de erros. A ação aquariana é inadiável e surge sem aviso prévio. Algo está excessivamente velho, tornou-se opressivo e hostil para a continuação do desenvolvimento. Esse algo precisa ser removido para que o ciclo tenha sua continuidade. A sabotagem, a sedição e a revolução são manifestações precisas do que vem a ser a ação aquariana. É o desabamento do ciclo sobre si mesmo, é como uma célula caquética que de uma hora pra outra assume funções autofágicas e se autodestrói em nome da continuidade.

A loucura surge em aquário, mas esta “loucura” é absolutamente necessária agora e se configura na mais perfeita lógica. Essa ação aquariana só é considerável louca na medida em que o ciclo esta a se desenvolver. Mas ela se torna necessária toda essa inconseqüência e anseio pela liberdade, o desprendimento com a ordem, o desdém pelo tradicional e o anseio pelo futuro. Tudo o que se planeja e deseja agora é um novo modo de agir, um novo plano de ação que enterre definitivamente tudo o que o outro ciclo representou no passado. É, definitivamente o pontapé inicial para a criação do novo. Mas aquário ainda não é este novo.

Aquário é ainda um estágio coletivo. A ação em nível coletivo é iniciada em Libra, momento em que se toma consciência da existência de todos. Continua em Escorpião, onde os laços ensaiados em Libra se efetivam, mas acaba por surgir uma espécie de prisão nas alianças escorpianas. Em Sagitário as alianças se desfazem e o indivíduo é livre pra explorar a coletividade como um todo. Em Capricórnio já não existe nada a ser explorado, todos os limites já foram escrutinizados e o indivíduo chega a uma espécie de auge de si mesmo, onde tudo o que havia pra ser aprendido e ensinado já o foi feito. O indivíduo é então mestre de si e passa a querer servir como mestre e modelo para os outros, com o objetivo de que todos se tornem mestres e esse epíteto perca sua razão de ser. Apesar de ainda ser coletivo, Capricórnio é o signo que inaugura a zona pessoal do zodíaco (que culmina em Áries), onde o indivíduo é mais importante que o relacionamento em si.

Aquário torna ainda mais intensa essa necessidade do encontro de si mesmo, e apesar de ser o estágio mais complexo no setor coletivo é o que inicia efetivamente a aproximação do indivíduo com a sua própria verdade pessoal. No estágio aquariano o indivíduo se da conta de uma maneira muito lúcida do que vem a ser o movimento coletivo: É o movimento em direção a si mesmo. É interessante o fato de que no estágio oposto, Leão, a consciência era de que, o indivíduo, inserido no estágio individual, se era alguma coisa, o era para os outros. Não é difícil entender o porquê de o sol ter seu detrimento em aquário: O eu, neste estágio, não é mais importante do que o coletivo, é a consciência de que no final, todos são iguais e tem direitos iguais porque são iguais em essência, é o estágio onde não se admitem privilégios e é abolida a figura do mestre.

Libra e Sagitário se rejubilam no estágio aquariano. O ideal aquariano da liberdade e da igualdade fascina Libra, que é a coletividade em essência. As regras aquarianas colocam todos no mesmo patamar em termos de relacionamento, sem hierarquias, sem mestre-servo, vítima-salvador. Aquário é o relacionamento de igual para igual, é a amizade, a união sem compromisso e fraternal. E do ponto de vista sagitariano, aquário é o ideal de liberdade de forma ampliada, onde o sagitário se expressa da maneira mais plena.

O estágio aquariano cria, portanto, em meio à rigidez e austeridade de um império decadente (instaurado em leão e levado ao seu máximo em Capricórnio) a liberdade e a oportunidade de manifestação do novo, sabotando as estruturas do antigo regime e levando-o a ruína. A liberdade é inventada em aquário e a novidade é intensamente almejada aqui, mas esta só chega em Áries. Mas antes da instauração do novo, as conseqüências do que acontece em aquário precisam ser enfrentadas. A quebra das estruturas e o desabamento do ciclo originam o caos, enfim, o estágio pisciano do expurgo e finalização do ciclo.

Kurt Cobain

Kurt Cobain foi sem dúvida um dos maiores nomes da história do Rock. Era o vocalista de uma das mais revolucionárias bandas da história, o Nirvana, pioneira em um estilo de rock mais leve, jovial e despojado, que desbancou o estilo até então predominante do heavy metal sorumbático/glamoroso, inaugurando uma nova geração na música. A vida de Cobain foi marcada pela música, por relacionamentos afetivos e familiares complicados, pela depressão e pelo vício em heroína. Ele nasceu no dia 20 de fevereiro de 1967, às 19:38 em Aberdeen, Washington-EUA, falecendo no dia 5 de Abril de 1994 dando um tiro no próprio queixo.

O mapa de Cobain é impressionante, e ao mesmo tempo raro: Ele nasceu com todos os planetas no mesmo elemento, a água (exceto os geracionais) e com o ascendente em virgem. Pra se ter uma noção, essa é uma coisa realmente rara. Eu procurei por 60 anos de efemérides astrológicas, entre 1940 e 2000 e encontrei apenas 6 ocasiões em que todos os planetas se encontravam no mesmo elemento. Em duas dessas ocasiões isso ocorreu em signos de água, em fevereiro de 1967, quando Kurt nasceu e também em Novembro de 1974.

Essa predominância absoluta do elemento água indica que Kurt Cobain era uma pessoa extremamente sensível, passional, romântico e internamente muito frágil e magoável. A maioria dos planetas se encontra no signo de Peixes, signo artístico, extremamente volátil e escapista. Ainda que todos os planetas dele estejam no mesmo elemento, o mapa de Cobain se mostra poderosíssimo, com vários trígonos e também com vários planetas dignificados. Ele tem todos os domicílios e exaltações que são possíveis em signos de água, com exceção de Júpiter em Peixes, cujo domicílio e exaltação são em diferentes signos aquáticos.

A água em excesso pode produzir pessoas perigosíssimas, manipulativas e mestras nos joguinhos envolvendo vítimas e salvadores. E nenhum elemento, quando em excesso, personifica melhor o perfil do vampiro energético, que não consegue se sustentar por si mesmo, andar com as próprias pernas e passa a vida manipulando e controlando pessoas silenciosamente. Ao mesmo tempo, este excesso Elemental é capaz de produzir pessoas genuinamente generosas, capazes de se sacrificar pelo outro e até esquecer-se da sua própria existência em nome da dedicação a alguém ou a algum ideal. A água fala em intimidade, acesso ao outro. Os que são ricos em água parecem ter acesso livre a intimidade alheia, podendo usar isso para o mal (sugando) ou para o bem (curando) dependendo do caráter da pessoa. No caso do Kurt Cobain ele parecia vivenciar os dois lados da moeda. Sugando (pouco se fala da personalidade territorialista, rancorosa e ultra-passional de Kurt, geralmente sendo a imagem feita dele algo muito mais uraniana, provavelmente pela presença de urano em conjunção ao ascendente) e sendo sugado na mesma proporção.

Kurt tem os planetas urano e plutão em conjunção com o seu ascendente virginiano e em oposição com mercúrio, Vênus e Saturno em Peixes,indicativo de uma natureza rebelde e contestadora e ao mesmo tempo depressiva e auto-repressiva. Aos 7 anos seus pais se separaram e nessas palavras concedidas em entrevista podemos ver uma clara manifestação de uma lua canceriana em conjunção com a estrela Sírius: “Lembro que me senti muito envergonhado, por alguma razão. Eu tinha vergonha dos meus pais. Não conseguia mais encarar meus colegas de escola porque eu queria voltar a ter desesperadamente aquele clássico sentimento de família – mãe, pai. Eu queria aquela segurança, então passei a guardar rancor dos meus pais por muitos anos a partir de então.” A partir daí Kurt começou a demonstrar uma personalidade extremamente rebelde e depressiva, contestadora e ao mesmo tempo sensível e artística.

“Praticamente do começo ao fim de sua vida, Cobain lutou contra a depressão, bronquite crônica e uma intensa dor estomacal nunca diagnosticada corretamente. Este seu último problema parecia associado ao seu bem-estar emocional, apesar das inúmeras tentativas que Kurt fez para descobrir sua causa verdadeira – nenhum dos médicos consultados foi capaz de especificar com precisão a causa dessa sua forte dor.” Os regentes das casas 1, 5, 6, 10 e 12 de Cobain são os únicos que não tem nenhuma dignidade. O regente da 12 é o sol em Peixes na 6, um indicador bem claro de dependência química. O regente da casa 6 é saturno em peixes, cujo dispositor esta no signo que confere detrimento a saturno. Saturno está ainda localizado em conjunção com a estrela scheat , de natureza maléfica, segundos os antigos: “que traz extremo infortúnio, assassinato e suicídio. Risco de morte por submersão ou asfixia.”

Na ocasião de sua morte, o sol progredido estava em conjunção exata com saturno natal, na malfadada estrela Scheat. Também ocorria o retorno da lua progredida, e saturno em trânsito saía de uma conjunção com o sol do cantor e se dirigia para o seu retorno. Todos indicativos fortes de depressão, desânimo e talvez alguma fraqueza maior ou alguma doença, não necessariamente de suicídio. Quer dizer, em uma pessoa cuja natureza já a predispunha a viver em depressão, esta assinatura astrológica de abril de 1994 fazia apenas agravar ainda mais aquilo que já existe de indicativo no mapa natal. Já em março de 1994 Kurt tentou suicídio pela primeira vez, com saturno bem em cima de seu sol. Ele estava muito deprimido e doente, com laringite e uma crise de bronquite, tentou se matar tomando uma garrafa de champagne e 50 pílulas de tranqüilizantes. Foi encontrado pela sua esposa no quarto de um hotel, ao lado de uma carta de despedida de 3 páginas, mas sobreviveu neste caso. Ele decidiu tirar férias da banda durante 1 mês . Dias antes de realmente se suicidar, Kurt chegou a se internar em uma clínica de reabilitação, mas fugiu da mesma, indo pra sua casa em Seatle onde tirou sua própria vida.

Progressões Terciárias

Progressões são as técnicas astrológicas que, partindo de algum tipo de proporção (às vezes natural, às vezes simbólica), progridem o mapa de nascimento. Esse progredir da carta natal é usado pra fazer previsões que são muito precisas e tendem a apontar algo que poderíamos chamar de desenvolvimento, evolução ou mesmo progressão interna. São acréscimos que o indivíduo recebe ao longo da sua vida, e que tornam mais ricas sua personalidade e suas experiências. O mapa natal permanecerá o mesmo até o dia da morte do nativo, mas a pessoa não será a mesma até o dia de sua morte, ela terá adquirido coisas ao longo de sua existência, em termos de experiência. Essas aquisições, portanto, são indicadas pelo mapa progredido.

Dentre as muitas proporções adotadas, a utilizada pelas progressões terciárias é do tipo natural, assim como as secundárias. Como assim, proporção natural? Não são proporções de ordem arbitrária, do tipo 1 ano da sua vida equivale a 1 grau, ou a 1 signo, etc. A equivalência é de ordem astronômica. Por exemplo, nas progressões secundárias a proporção seria: 1 revolução solar que você vive equivale a 1 rotação da terra após o seu nascimento. Arredondando, temos: 1 ano = 1 dia. O que você vive ao longo de 1 ano é representado por um dia, contando da sua data de nascimento.

Nas terciárias a proporção é outra. Cada revolução lunar que você vive equivale a 1 rotação após o seu nascimento. Trocando em miúdos: 1 mês (lunar) = 1 dia. Digamos que a pessoa esteja vivenciando no dia de hoje a sua 568ª revolução lunar: o mapa progredido por progressões terciárias corresponderá ao 568º dia após o seu nascimento. É importante frisar que 1 mês lunar não é o mesmo que 1 mês convencional de 30 dias. O mês lunar corresponde ao tempo entre um retorno lunar e outro, que é de aproximadamente 27 dias, 7 horas e 43 minutos.

Na prática, a pessoa precisa delimitar todas as revoluções lunares que ela viveu até o momento que ela deseja analisar através das progressões terciárias, pra chegar a um valor realmente preciso. Erros de datas podem levar a previsões igualmente erradas, e neste caso não existem fórmulas mágicas que garantam a exatidão. Isso explica, talvez, a baixa popularidade desta técnica nos dias de hoje, ainda que alguns programas de astrologia estejam habilitados para calcular as terciárias.

Como interpretar as progressões terciárias? Assim como as revoluções lunares são um complemento para as revoluções solares, eu encaro as progressões terciárias como um complemento, um acessório que não deve ser utilizado sem o acompanhamento das progressões secundárias. É possível até fazermos uma analogia entre as revoluções e progressões, uma vez que as progressões secundárias são baseadas na revolução solar e as progressões terciárias nas revoluções lunares: os graus de importância são análogos.

As secundárias apontam um progredir lento dos astros ao longo dos anos, sendo significadoras de mudanças profundas e irreversíveis, indicando eventos realmente importantes na vida da pessoa. As terciárias têm um passo mais veloz, então elas falam de atividade cotidiana e nem todo o aspecto formado com o mapa natal via progressões terciárias é necessariamente significativo. Especialmente quando os aspectos via progressões terciárias ativam os aspectos via progressões secundárias, é aí que poderemos atribuir uma importância maior pra esta técnica. No mais, elas podem servir pra retratar o cotidiano e situações mais corriqueiras.

Capricórnio

Capricórnio é uma reação a sagitário. No estágio anterior, o otimismo e a fé cega eram um obstáculo para uma visão realista das coisas. Sagitário é a aspiração e o sonho de uma realidade maravilhosa, mas capricórnio representa a chata e insípida realidade. Tudo o que se desejava, no estágio sagitariano era a chegada em capricórnio, ou seja, ao máximo. Mas ao chegar a Capricórnio o que sobrevém é a decepção da constatação da realidade das coisas, capricórnio nos apresenta aos limites da vida, ao teto simbólico.

Em Capricórnio se descobre que o tão esperado “auge” de sagitário, não passa de uma quimera e de uma imensa decepção: Em capricórnio se descobre que o auge é apenas o princípio da queda e do fim do ciclo como um todo. A nova abordagem adotada em capricórnio é a da cautela: permanecer o máximo de tempo possível neste topo simbólico, ainda que se saiba que ele não é exatamente aquilo que se pretendia anteriormente. Assim esse estágio, negativo e cardinal, fala da conservação e da manutenção da ordem, fala em enrijecimento, cristalização. Capricórnio ira se manter no topo enquanto puder, neste ponto qualquer retrocesso e qualquer avanço são estritamente proibidos.

Capricórnio não é apenas reação ao signo anterior, mas também é conseqüência deste. Sagitário aspira ao infinito, sem se preocupar com a realidade das coisas. A decepção é inevitável neste caso, conseqüência de um otimismo irresponsável. Em Capricórnio fica muito claro que o ciclo está próximo do fim. Não existe mais para onde subir, não existe mais o que evoluir. A única coisa que resta é a morte como antecessora de um novo início. Então Capricórnio é um estágio que ira manter as coisas cristalizadas, estratificadas e fará com que elas envelheçam e se deteriorem conseqüentemente. Decadência também é uma palavra chave pra se falar desse signo.

A sabedoria de se ter vivido por tanto tempo é o grande bônus de Capricórnio. Aqui neste estágio já se tem uma caminhada longa, e aqui também se tem uma visão panorâmica e precisa do que está por vir. Diferente de sagitário, que tem visões proféticas porque apenas consegue vislumbrar até o novo início, Capricórnio enxerga além de sagitário, e vê que o novo não vai apenas começar, mas vai também se estabelecer e definitivamente invalidar a existência do antigo. A previsão capricorniana é realista e também fatalista, e o que ele faz desta habilidade é tão realista quanto sua capacidade de prever: É este o signo do oportunismo, que se vale do conhecimento do que está por vir e que inicia um processo de poupar recursos, para se preparar para os tempos difíceis que estão à espreita. E o que vem agora é simplesmente a destruição de tudo o que se havia construído, e o estabelecimento de uma nova realidade, árida e sem recursos (Áries), simplesmente nova, virgem, inexplorada. Capricórnio pretende chegar até Áries com garantias de sobrevivência, até o momento em que as coisas se solidificam novamente (touro) e se volte a ter um mínimo de segurança.

Capricórnio é a realização do propósito virginiano: afinal, o objetivo de virgem é manter as coisas até o grande momento, até o grande ápice. E capricórnio funciona de forma muito parecida com virgem, mas existe uma diferença: Capricórnio não irá fazer nada para impedir o final, aliás, capricórnio se beneficiará desse final. Virgem é a ânsia pela manutenção de uma ordem, de alguma coisa qualquer a todo custo, e a coisa em si acaba ganhando uma importância sacra e um tanto irrealista. Capricórnio vai além, e entende que a evolução depende do caos – arauto do novo início, sendo esse caos sucedido pelo estabelecimento do novo. Virgem teve sua razão de ser ao longo do ciclo, e sem virgem, Capricórnio jamais seria o que é. Mas Capricórnio entende o significado do tempo e sabe que ele por si se encarrega de destruir o que é velho através da decrepitude, da própria inanição advinda da rigidez e do esforço em nome da manutenção, o que torna o esforço virginiano após um determinado momento não apenas inútil, mas também hostil para a continuação da vida. Mas, assim como virgem, Capricórnio irá manter a estrutura até o limite, até o momento em que ela desabe sobre si mesma, extraindo daquilo o que puder.

Escorpião se rejubila em Capricórnio, quando se tem consciência do limite e se vislumbra um futuro caótico (peixes). Capricórnio inaugura um momento onde se deve extrair o máximo de tudo, antes da chegada do fim. E escorpião, o signo do compromisso, que representa a abordagem tenaz e ultra-persistente, atende de maneira muito desenvolta a este chamado, já que levar as coisas até o fim é uma tarefa totalmente escorpiana.

Assim o estágio capricorniano nos ensina que existem limites e que devemos encarar o futuro com realismo. A importância da conquista e o entendimento do que vem a ser exatamente o termo “evolução” são as maiores lições de Capricórnio. Aqui percebemos que a evolução, ou a continuação do desenvolvimento, a manutenção da centelha primordial depende da destruição do antigo. Somente algo novo poderia ter o poder de superar tudo o que já foi feito neste estágio. Entretanto, capricórnio é justamente este ‘antigo’. Depois de capricórnio resta apenas o desabamento de toda a estrutura. Ainda que capricórnio saiba o que precisa ser feito, esse signo é conservador e irá se manter no topo, no auge enquanto puder. Assim que o processo de desabamento se iniciar, entraremos no estágio aquariano.

Lua em Sagitário

Com a Lua em sagitário você é uma pessoa idealista e bastante franca emocionalmente. Na intimidade é uma pessoa divertida, despojada, bastante libertária e espontânea, demonstrando sempre muita franqueza, sinceridade e princípios éticos intocáveis. Tende ao bom humor, a jovialidade, a ser uma companhia divertida e agradável, porém inconstante, volúvel e influenciável. Mesmo que não seja religioso, é uma pessoa que tem instintivamente muita fé e que é agarrada a muitas certezas, que o tornam de certa forma mais firme, com propósitos bem determinados, mas nem sempre assumidos.  
O grande problema neste posicionamento pode ser a dificuldade em manter a própria privacidade, em manter um segredo seu, porque em geral a pessoa é tão franca e sincera quando se expressa emocionalmente que as emoções facilmente transbordam. Tendem a mentir muito mal, mas acabam achando que estão convencendo porque não se dão conta de que elas mesmas se denunciam através de suas ações irrefletidas. Tem uma postura muito filosófica em relação a vida, sempre extraindo valiosas lições de todas as suas experiências. Os hábitos tendem a ser exagerados, extravagantes e improvisados. Rotina não combina com quem tem esta Lua.  

A espontaneidade na expressão dos sentimentos é a virtude e também o maior problema de quem nasce com essa lua. É virtude quando pensamos na franqueza, objetividade e honestidade com que as emoções são expressas. Por mais que se esforcem, as pessoas que nascem com lua em Sagitário são péssimas em esconder seus sentimentos então a verdade emerge mesmo se a intenção da pessoa é esconder algo ou mentir. Mas esse tendência pode ser muito mais uma fonte de incidentes, indiscrições e até mesmo servir pra tornar a pessoa mais vulnerável. Quando pensamos no universo lunar, pensamos em intimidade, emoções, percepção, imaginação e foro íntimo. É melhor que lidemos com essas questões de maneira discreta. As emoções precisam ser mantidas em segurança, até que possamos expressa-las sem risco, para alguém em quem possamos confiar, e jamais de maneira pública ou gratuita. A lua em sagitário é como todas as luas de fogo, e nesse sentido em específico é a mais exibicionista e indiscreta em relação às coisas que deveriam ficar em foro íntimo. Em certas situações, devemos guardar nossas impressões e opiniões para o nosso bem e em nome da diplomacia, e a não observância dessa necessidade é que leva a ocorrência de frequentes incidentes para as Luas sagitarianas. 

A empolgação nos sentimentos torna as pessoas com lua em sagitário pessoas ardorosas, apaixonadas e genuinamente otimistas, com um estilo de vida que pode ser considerado aventureiro por alguns. São facilmente contagiados por uma novidade, um novo plano, uma nova aventura, sendo a tendência a adesão automática um perigo a também ser levado em conta, porque há pouca reflexão, o processo se dá de maneira automática, completamente impulsiva, sem senso crítico, as vezes nem bom senso se a causa for convincente. Isso acontece principalmente pela generosidade e a boa vontade desses nativos, que nunca duvidam das intenções dos outros. Creem na sorte e justamente por isso passam ilesos por situações pelas quais pessoas desconfiadas não conseguiriam superar sem precipitar uma crise. Nesse sentido são resistentes a crises, e sua visão otimista faz com que se mantenham com fé no bom desfecho até o fim. É principalmente por isso que acabam “dando sorte” em situações de contrariedade, pois jamais duvidam da generosidade do universo ou na centelha de bondade presente no coração de todos os homens, até mesmo nos piores. A lua em sagitário é ótima em estimular nas pessoas aquilo que elas tem de melhor. Mas sua fé cega em algumas circunstâncias, e a crença de que tudo vai ficar ok no final podem ser características traiçoeiras, que operam contra a pessoa. 

Basicamente quem tem lua em Sagitário é emocionalmente independente, não gostam de ser protegidos ou cercados e nem de nada que os prive da sua liberdade. Também esperam dos outros o mesmo nível de independência e nisso podem surgir atritos em relacionamentos íntimos. São também adaptáveis, simples e fáceis de conviver. A única regra é: não tente prende-los. As vezes essa lua nem sabe pra onde ir, mas ela foge instintivamente se ela sente que estão lhe obrigando a ficar. Podem ser pessoas amantes da natureza e dos esportes onde expressam sua necessidade de liberdade, ou intelectuais, porque exibem sempre uma imensa sede de conhecimento. O mais comum é que sejam na verdade uma mistura de ambos. A imensa curiosidade é característica comum desta lua, que deseja se expandir não apenas fisicamente, mas também mentalmente, e eles fazem isso buscando informações em várias fontes sendo amantes da leitura e do aprendizado. Generosos, também querem dividir com o mundo o que aprenderam. O grande problema é quando aprendem uma coisa por uma perspectiva muito estreita e a divulgam como se fosse a verdade absoluta. É porque Sagitário acaba ficando principalmente com a impressão superficial das coisas não se importando com o aprofundamento ou com as contradições. A depender da forma como argumentam suas opiniões, podem se decepcionar facilmente quando outros facilmente destroem seus argumentos, ou podem se transformar em obsessivos donos da verdade, que travam verdadeiras cruzadas para provar a verdade daquilo em que acreditam.       

Sol em Sagitário

Neste signo de fogo o Sol encontra-se em triplicidade, já que o elemento natural do Sol é o próprio fogo. O foco da pessoa está no ideal, no sonho, nas aspirações: Ou seja, está em algo que é adequado, é interessante para a própria pessoa que, se ela tem algum sonho, que trabalhe de modo a concretizar tal sonho e a intenção sagitariana será a de sempre perseguir a meta. Neste sentido, em Sagitário o Sol está no único signo mutável onde o foco, o “centro” não está difuso, apesar de que, nem sempre esta meta aspirada por sagitário é exatamente realizável.

O que ocorre em Sagitário é a dificuldade de se lidar com a vitória ou com uma eventual queda: Assim que atinge um objetivo, a tendência do Sol em sagitário é que se abandone tudo e logo se parta em direção a outra empreitada. No caso de um tropeço no meio do caminho, a tendência sagitariana é a de desistir e partir pra outra meta. Falta estabilidade e maturidade para manter a conquista ou lidar com os obstáculos, mas sobra energia e disposição para recomeçar sempre, o que se revelará tanto como uma coisa positiva quanto uma coisa negativa em diferentes momentos. A questão é que é difícil saber o quanto se vale a pena insistir em um caminho que se mostra dificultoso desde o início, ou o quanto vale a pena o esforço em manter uma conquista sabendo que pode haver coisas melhores mundo a fora.
Uma das principais marcas do sol em Sagitário é a sorte, a constituição física que geralmente é exuberante e saudável e a boa saúde, coisa que é comum ao Sol em todos os signos de fogo. Os nascidos no hemisfério norte (outono) são mais ambiciosos, cautelosos e realistas. Os nascidos no hemisfério sul (primavera) são mais otimistas, alegres, sensuais e sociáveis. Os que têm júpiter em signos de fogo têm muito otimismo, muita fé e muita energia, pique e vigor. São os que têm mais sorte, mas são os mais presunçosos e arrogantes. Os posicionamentos ideais são quando as pessoas nascem com Júpiter em Leão ou Júpiter em Sagitário, essas posições ampliam a fé e a autoconfiança. Júpiter em signos de Ar torna as pessoas extremamente inteligentes, divertidas e sociáveis, mas podem ter pouca constância e a fé é diminuída. Os que têm Júpiter em signos de terra são mais lentos e pessimistas, mas a sua natural cautela os ajuda a cometer menos erros. Júpiter em virgem pode ser um posicionamento crítico indicando extremos de arrogância e falta de autoconfiança. Júpiter em Capricórnio gera um pessimismo tão intenso que funciona quase como que uma “fé ao contrário”. Júpiter nos signos de água indica muita fé, muita generosidade e sorte, mas a pessoa é mais vacilante.